Bovespa abre em baixa e continua atrelada ao exterior

A Bolsa de Valores de São Paulo abriu em baixa e continua atrelada ao mercado internacional, de olho na evolução do juro dos títulos do Tesouro dos Estados Unidos, nas Bolsas em Wall Street e no fluxo financeiro. Às 11h11, logo após o início do pregão, o Ibovespa à vista recuava 0,52%, a 37.204 pontos, na mínima do dia até agora. Mas se as bolsas norte-americanas não intensificarem as perdas sinalizadas pelos índices futuros e o juro do título norte-americano de 10 anos se mantiver estável, analistas acham que há espaço para alguma recuperação da Bovespa, após a queda acentuada de ontem, de 2,10%. O único destaque nos EUA hoje é a divulgação dos relatórios de estoques de petróleo, previsto para as 12h30. O mercado futuro de petróleo aguarda com tranqüilidade, pelo menos por ora, os números sobre estoques, com pequenas variações. A Bovespa deve manter comportamento mais volátil até a reunião do Fomc (comitê de mercado aberto) do Federal Reserve (Fed, o banco central dos EUA), na semana que vem, quando se decidirá o nível das taxas de juros. Além disso, a situação delicada em que se encontra o ministro Antônio Palocci (Fazenda) mantém o mercado em estado de alerta. Do lado corporativo, a boa notícia hoje vem da Embraer, que assinou com a Royal Jordanian Airlines um contrato para a venda de sete aviões modelo 195. O início das entregas está agendado para o quarto trimestre de 2006.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.