Bovespa abre em baixa, inverte o sinal e sobe 0,15%

A Bolsa de Valores de São Paulo abriu o pregão em baixa, mas inverteu o sinal logo após os primeiros negócios. Às 11h20, o índice Bovespa operava em alta de 0,15%, a 43.619 pontos. As desconfianças com o setor de tecnologia influenciam negativamente hoje os mercados acionários da Europa e dos EUA. Por aqui, o fator de cautela é a expectativa em torno da reunião do Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central, que começa hoje e encerra amanhã, com a divulgação da nova taxa Selic (juro básico de referência para economia brasileira). Os investidores olharão também o comportamento do preço do petróleo e das demais commodities. Os analistas estão divididos nas estimativas para a taxa Selic, prevendo entre um corte de 0,25 ponto porcentual e 0,5 ponto da atual taxa de 13,25% ao ano. A corrida final da véspera tende a influenciar também o mercado de ações que, habitualmente, sente diretamente as decisões da política monetária. Internamente também há os desdobramentos do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), divulgado ontem pelo governo. As avaliações gerais iniciais foram de que as medidas não têm grandes impactos nas empresas e na bolsa. Ainda assim, um ou outro setor merecem avaliações mais detalhadas e elas devem surgir aos poucos no decorrer dos próximos dias. Entre as notícias corporativas desta manhã, pode-se destacar as ofertas públicas globais secundárias da Embraer e da Suzano Papel. Outra novidade é a divulgação da receita líquida da empresa aérea Gol, de R$ 3,8 bilhões no ano passado.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.