Bovespa abre em baixa, mas inverte sinal ainda pela manhã

A Bovespa deve seguir dividida entre as incertezas dos mercados internacionais quanto aos rumos das políticas monetária e fiscal nos EUA e os efeitos de um eventual calote da dívida da OGX 

Olívia Bulla, da Agência Estado,

27 de setembro de 2013 | 10h17

A Bovespa deve seguir dividida entre as incertezas dos mercados internacionais quanto aos rumos das políticas monetária e fiscal nos Estados Unidos e os efeitos de um eventual calote da dívida da OGX. Apesar de terem encerrado ontem abaixo do nível dos 54 mil pontos, pela primeira vez em mais de uma semana, os negócios locais não devem comprometer a performance positiva conquistada em setembro. A Bolsa abriu em queda, mas às 11h30, tinha alta de 0,34%, cotada a 53.966 pontos.

Operadores avaliam que a Bolsa deve seguir pressionada por fatores internos e externos, o que pode levar os investidores a colocarem um pouco mais dos ganhos acumulados ao longo de setembro no bolso. "A Bolsa ainda deve fechar o mês bem e não devem haver muitos esforços para embelezar as carteiras", comenta um profissional.

Ele se refere aos ganhos de 7,54% registrados em setembro até ontem, com o Ibovespa caminhando para o melhor desempenho mensal desde janeiro de 2012. Além disso, pode ser o primeiro trimestre positivo do índice à vista neste ano, com uma performance tão robusta quanto à verificada nos três primeiros meses do ano passado, quando subiu 13,67%. Até ontem, a valorização acumulada desde julho estava em 13,33%.

Diante disso, há chances de a Bolsa "entregar mais um pouco" antes do fim do mês, principalmente diante das incertezas dos investidores quanto ao futuro da economia norte-americana. O Congresso dos EUA tem até a próxima segunda-feira para aprovar o orçamento fiscal da administração Obama a partir de outubro, além de avançar nas discussões quanto à elevação do teto da dívida do país, que pode ser alcançado em meados do mês que vem.

Nos EUA, o S&P 500 caía 0,52%, também à espera da leitura final de setembro do índice de sentimento do consumidor norte-americano, medido pela Universidade de Michigan. Há pouco, foi informado que os gastos com consumo subiram 0,3% em agosto, ao passo que a renda pessoal avançou 0,4% no mesmo período, ambos conforme o esperado.

Internamente, a Bolsa pode continuar sendo atingindo pelos receios de que OGX entre em recuperação judicial, ou que seus credores externos entrem com pedido de falência da empresa, o que pode configurar em um fato inédito para uma empresa listada no Ibovespa. Ontem, a ação da petrolífera de Eike Batista desabou mais de 15%, após renovar a cotação mínima histórica durante a sessão.

Mais conteúdo sobre:
Bovespa

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.