Bovespa abre em ligeira alta, mas inverte e cede 0 08%

O índice Ibovespa à vista abriu em alta e avançou até 0,26%, mas inverteu o sinal em seguida. Às 10h17, registrava baixa de 0,08% a 37.132 pontos. Com uma agenda de indicadores fraca nos EUA, a expectativa hoje está voltada para a decisão do Irã sobre a interrupção ou não do seu programa de enriquecimento de urânio. O prazo dado pelo Conselho de Segurança da ONU termina no final do mês e o Irã prometeu antecipar sua resposta para hoje. Em Nova York, às 10h15, os índices futuros de ações mantêm o sinal de baixa moderada. O Nasdaq recuava 0,18% e o S&P 500 cedia 0,15%. Segundo operadores, o desafio da Bovespa é conseguir sustentar os 37 mil pontos. Ontem, o índice à vista fechou em baixa de 1,04%, com 37.160 pontos, influenciado pelo exercício de opções, pela queda de Telemar ON e pela realização de lucros em Wall Street. Telemar deve continuar na pauta do dia, confundindo o mercado. Ontem, as ordinárias desabaram 18,83% e PN, que subiu durante quase todo o dia, acabou fechando em baixa de 0,49%. Parecer da Comissão de Valores Mobiliários de orientação sobre o voto dos acionistas em operações de incorporação, divulgado na sexta-feira à noite, que em tese impede os acionistas detentores de ON da Telemar de votarem na assembléia que vai tratar da reestruturação da companhia, está deixando os investidores inseguros. Como a Telemar decidiu ontem manter as características da sua reestruturação societária, a decisão ficará para a próxima assembléia de acionistas da Telemar, que ainda será convocada. As ações da Arcelor, que ontem fecharam em baixa de 1,42%, podem reagir às declarações do controlador da Mittal Arcelor, o indiano Lakshmi Mittall. Em entrevista ao jornal Valor Econômico, ele disse que não pretende fazer uma oferta pública de ações (OPA) ao minoritários da controlada Arcelor Brasil, contrariando decisão da CVM. "Estou alinhado à diretrizes de meus advogados que sustentam não haver necessidade de fazer uma oferta pública no Brasil", disse ele. Mittal entende que o que houve aqui foi uma "fusão de iguais".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.