Estadão
Estadão

Bovespa abre em queda com dúvida sobre Previdência

A afirmação do relator da reforma, Arthur Maia, de que a data de votação da proposta é "pouco significativa" gerou nova piora nos preços dos ativos no mercado brasileiro

Ana Luísa Westphalen, Luciana Antonello Xavier, Gabriela Korman e Silvana Rocha, O Estado de S.Paulo

12 Dezembro 2017 | 14h40

A Bovespa abriu em queda nesta terça-feira, 12, em meio às persistentes incertezas sobre a chance de aprovação da reforma da Previdência na Câmara ainda neste ano. A afirmação do relator da reforma da Previdência, Arthur Maia, de que a data de votação da proposta é "pouco significativa" gerou nova piora nos preços dos ativos.

Houve intensificação de um movimento de busca por segurança já verificado no começo do dia. Na prática, isso significa venda de ações e compra de dólar, com reflexo nos juros futuros. As taxas de juros em geral foram às máximas da sessão, até porque o andamento da proposta está contido no balanço de riscos do Banco Central.

++Veja o Placar da reforma da Previdência

Na ata da reunião do Comitê de Política Monetária (Copom), divulgada na manhã desta terça-feira, o BC disse que a aprovação das reformas, em especial fiscais, é fundamental para inflação baixa e estável.

A preocupação com a Previdência já havia trazido viés de alta aos juros longos no começo do dia. Apesar disso, os vencimentos de curtíssimo prazo seguem ancorados na sinalização, também do Copom, de redução do ritmo de corte da Selic para 0,25 ponto porcentual em fevereiro, embora isso dependa da reavaliação da extensão do ciclo, além do balanço de riscos.

++Política monetária se mostrou bem sucedida em reduzir inflação, diz Ilan

No câmbio, o dólar superou R$ 3,32 na maior cotação intraday, em meio a avaliações de que o BC pode optar por parar de cortar a Selic em fevereiro. Ainda que a atuação de exportadores tenha reduzido a pressão, a moeda abre a tarde perto do nível da máxima. O Ibovespa afundou abaixo do patamar dos 72 mil pontos e, apesar de ter saído da mínima, inicia a tarde com perda. No exterior, o tom é de compasso de espera pelas sinalizações do Federal Reserve para 2018. A elevação das taxas, amanhã, já está precificada. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.