Bovespa abre em queda com sinal de alta de juro nos EUA

Janet Yellen, presidente do Fed, sinalizou que a alta dos juros, hoje na faixa de zero a 0,25% , deverá vir em até seis meses

Luciana Antonello Xavier, da Agência Estado,

20 de março de 2014 | 10h48

Na esteira das bolsas internacionais, o Ibovespa começou o pregão desta quinta-feira, 20, no vermelho, mas ainda acima dos 46 mil pontos, após Janet Yellen, presidente do Federal Reserve, ter dito que a alta dos juros, que estão na faixa de zero a 0,25% desde dezembro de 2008 - deverá vir em até seis meses após o fim do programa de compras de bônus, ou seja, ainda no primeiro semestre de 2015. Os pedidos de auxílio-desemprego na semana passada não mexeram com o humor das bolsas no mercado futuro em Nova York nem com os juros dos Treasuries, pois vieram dentro do esperado. O dólar, que iniciou a sessão em alta, seguindo o exterior, virou e opera em queda após o leilão de swap cambial do Banco Central e com entrada de fluxo.

Às 10h18, o Ibovespa caía 0,17%, aos 46.490,37 pontos. As ações da Petrobrás caíam 0,22% (PN) e 0,47% (ON), enquanto as da Vale perdiam 0,56% (PNA) e 0,51% (ON). As atenções também seguem nas elétricas e empresas de abastecimento.

Em Nova York, no mercado futuro, o Dow Jones caía 0,23%, o Nasdaq perdia 0,27% e o S&P 500 tinha queda de 0,20%. O número de pedidos de auxílio-desemprego subiu 5 mil na semana passada, em linha com a previsão dos analistas. Os pedidos de auxílio-desemprego da semana anterior não sofreram revisão e se mantiveram em 315 mil.

Tudo o que sabemos sobre:
BovespaEUAjuro

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.