Bovespa abre em queda, na véspera da reunião do Fed

A Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) abriu em baixa e caía 0,56% às 10h23, a 37.634 pontos, refletindo a cautela dos investidores por conta da reunião do Comitê de Mercado Aberto (Fomc, na sigla em inglês) do Federal Reserve (Fed, banco central americano) amanhã sobre juros. A forte alta do petróleo nos mercados futuros também sugere precaução. O preço do barril na Bolsa Mercantil de Nova York (Nymex) subia quase 2%, acima de US$ 76 e, em Londres, superava os US$ 77, pressionado pela informação de que a British Petroleum interrompeu a produção no maior poço dos EUA, no Alasca, devido a danos e vazamento num oleoduto. O compasso de espera com a decisão do Fomc amanhã deve pautar os negócios durante todo o dia. Embora a expectativa de que a autoridade monetária nos EUA faça uma pausa no ciclo de alta de juro tenha ganhado força na sexta-feira, os investidores preferem ver para crer. Além da decisão do Fed, o mercado está ansioso sobre o conteúdo do comunicado a ser divulgado após a reunião. Os contratos futuros de juros, os chamados Fed Funds, de agosto, projetam esta manhã 21% de chance de o BC americano elevar a taxa de juros do atual nível de 5,25% para 5,5% ao ano. O destaque na abertura do pregão da Bovespa hoje são as ações do Bradesco, que anunciou o resultado do segundo trimestre. O Bradesco teve lucro de R$ 1,602 bilhão no segundo trimestre deste ano, um crescimento de 13,14% em relação ao segundo trimestre do ano passado. A rentabilidade sobre o patrimônio anunciada pelo banco atingiu 33,4%. Essa é uma semana quente em divulgação de balanços. Amanhã saem Itaúsa, CSN e Pão de Açúcar. Na quarta-feira, tem Eletropaulo, CPFL, AES Tietê. Na quinta, os destaques são Unibanco e Usiminas e, fechando semana, na sexta, saem os resultados de Petrobras e Embraer.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.