Bovespa abre estável, mas tendência é de alta

Após o tombo da véspera, quando o Índice da Bolsa de Valores de São Paulo (Ibovespa) caiu 4,54% voltando para os 36.412 pontos, cautela deve ser a palavra de ordem nesta quarta-feira até às 15 horas. Nesse horário sai nos Estados Unidos a ata da última reunião do Comitê de Mercado Aberto (Fomc) do Fed (o Banco Central dos EUA). O documento será "escaneado pelos mercados, à procura de sinais de o quanto o Fed está próximo de uma pausa na alta dos juros, e especialmente de quantos membros do comitê tinham a opinião de que o último aumento na taxa foi suficiente?, afirmaram os estrategistas do banco Goldman Sachs. Mas como ontem as perdas foram muito grandes, o mercado amanheceu com um viés otimista, esperançoso de que a ata do Fomc venha com uma mensagem positiva, sinalizando o fim do ciclo de alta de juro nos EUA. O Ibovespa abriu estável, mas logo passou a subir. Às 10h03, o índice registrava expansão de 0,50%, aos 36.594,6 pontos. Nos Estados Unidos, a alta era mais contida. O Nasdaq futuro subia 0,43% e o S&P 400 avançava 0,35%. As bolsas européias, que fecham antes de sair o documento do Fed, também registram ganho. Às 10 horas, Londres subia 0,98% e Frankfurt +0,86%. A divulgação nesta manhã do resultado do Produto Intero Bruto (PIB) brasileiro do primeiro trimestre não mexeu com o mercado. O número veio em linha com o esperado. A economia do Brasil cresceu 1,4% nos primeiros três meses de 2006 ante o quarto trimestre do ano passado e 3,4% em relação ao primeiro trimestre de 2005. A decisão do Comitê de Política Monetária (Copom), que sai após o fechamento do pregão, só terá repercussão nos negócios amanhã. Com a crescente aversão ao risco e a instabilidade dos mercados, aumentou a expectativa em relação ao resultado desta reunião. A maioria dos analistas espera corte menor de juro, de 0,50 ponto porcentual, mas ontem alguns mais pessimistas já falavam que esse pode ser o último corte de juro da temporada e há quem não descarte a possibilidade de vir uma redução da Selic de apenas 0,25 ponto.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.