Bovespa abre perto da estabilidade

Às 10h10 (horário de Brasília), o Ibovespa caía 0,09%, aos 58.375 pontos

Fabrício de Castro, da Agência Estado,

27 de agosto de 2012 | 10h25

Os mercados de ações internacionais operam no território positivo na manhã desta segunda-feira, no primeiro dia de uma semana que será marcada por eventos importantes. A Bolsa brasileira, apesar do viés de alta trazido pelo exterior, abriu o dia perto da estabilidade, ponderando fatores internos, como a descoberta da Petrobras na Bacia de Sergipe-Alagoas, na última sexta-feira, e o espaço para o indicador à vista continuar recuando, após duas semanas de perdas.

Às 10h10 (horário de Brasília), o Ibovespa caía 0,09%, aos 58.375 pontos. Em Nova York, o S&P futuro tinha alta de 0,24%, enquanto o Nasdaq futuro avançava 0,59%, sendo que no segundo caso o mercado ficará atento ao movimento da Apple, após a companhia ter vencido a Samsung numa disputa judicial sobre patentes. Na Europa, onde os índices à vista já operam, Paris tinha alta de 0,44%, Frankfurt avançava 0,77% e Madri tinha alta de 0,65%. A Bolsa de Londres não abriu em função de feriado.

"A última sexta-feira já foi bastante volátil e nesta segunda-feira o movimento do Ibovespa vai depender da demanda externa. O mercado nesta segunda-feira está meio em cima do muro", comentou um operador ouvido pela Agência Estado. Segundo ele, a descoberta anunciada pela Petrobras na última sexta-feira pode ajudar o Ibovespa, mas a contribuição do papel será mais efetiva se o otimismo estiver generalizado. "Com o mercado para cima, pode ser que Petrobras agregue um pouco mais de valor (ao Ibovespa). Semana passada, por exemplo, não houve uma realização tão forte em Petrobras", comentou.

Na última sexta-feira, com a sessão regular já encerrada, a Petrobras anunciou a comprovação da ocorrência de petróleo e gás de boa qualidade em bloco BM-SEAL-10 da Bacia de Sergipe-Alagoas, operado 100% pela Petrobras. O mercado observa, porém, o desdobramento da disputa da Petrobras na Justiça em relação à venda de ações da Petroquisa. O processo será julgado amanhã e a companhia calcula perdas de, no máximo, R$ 7,5 bilhões.

Outra empresa que estará no foco será a Vale, que nos últimos dias vem registrando perdas em meio à desaceleração da economia chinesa e à queda dos preços do minério de ferro no mercado externo. Relatório da equipe da Um Investimentos, enviado esta manhã para clientes, lembram que as ações preferenciais da Vale perderam o importante suporte de R$ 34,51 (Vale PNA marcou R$ 33,92 na sexta-feira). Com isso, o suporte de Vale PNA passou a ser de R$ 33,77, um ponto formado em agosto de 2011.

Para o Ibovespa como um todo, há um suporte forte próximo de 57,6 mil pontos - o que indica uma distância ainda razoável para o fechamento de sexta-feira, quando o índice à vista marcou 58.425 pontos.

No exterior, os mercados mostram um viés positivo enquanto aguardam indicadores importantes no restante da semana. A agenda econômica desta semana nos Estados Unidos está repleta de indicadores e eventos de peso. O grande destaque é o discurso do presidente do Federal Reserve, Ben Bernanke, no simpósio de Jackson Hole, na sexta-feira. Autoridades como a diretora-gerente do Fundo Monetário Internacional (FMI), Christine Lagarde, e o presidente do Banco Central Europeu (BCE), Mario Draghi, também discursam no evento. Amanhã, sai o índice de confiança do consumidor norte-americano e, na quarta-feira, a primeira revisão do Produto Interno Bruto (PIB) dos EUA no segundo trimestre e o Livro Bege.

No Brasil, os destaques são a reunião do Comitê de Política Monetária (Copom),

que termina na quarta-feira, e os números do Produto Interno Bruto (PIB) do trimestre passado, na sexta-feira.

Tudo o que sabemos sobre:
bovespaPetrobras

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.