Bovespa abre perto da estabilidade após dados dos Estados Unidos

Pedidos auxílio-desemprego subiram 32 mil, para 360 mil, maior aumento em uma semana desde novembro de 2012

Renata Pedini, da Agência Estado,

16 de maio de 2013 | 10h57

A Bovespa iniciou a quinta-feira perto da estabilidade, influenciada pela lateralidade dos índices acionários nos Estados Unidos. Bolsas de Nova York e também as europeias demonstravam cansaço após a renovação do rali, ontem, e reagiam a novos indicadores econômicos norte-americanos. Nesta manhã, saiu o dado semanal de auxílio-desemprego norte-americano e a inflação ao consumidor daquele país. Às 10h36, o Ibovespa tinha leve queda de 0,04%, aos 54.916,49 pontos.

Segundo o Departamento do Trabalho dos EUA, os pedidos de auxílio-desemprego na semana até o dia 11 de maio subiram 32 mil, para 360 mil, após ajustes sazonais. Foi o maior aumento de pedidos de benefícios em uma semana desde novembro de 2012 e acima das expectativas, de 330 mil solicitações. O índice de preços ao consumidor em abril, por sua vez, caiu 0,4%, de -0,3% esperado e -0,2% em março. Por fim, as construções de moradias iniciadas em abril recuaram 16,5%, ante expectativa de queda de 6,4% e uma alta de 7% em março na comparação com igual mês do ano anterior.

Em reação, o índice Dow Jones caía 0,06% e o S&P 500 tinha baixa de 0,12%, às 10h37. Logo mais, às 11 horas, será divulgado o índice de atividade regional de maio do Federal Reserve da Filadélfia. Vale destacar que os investidores também repercutem declarações do presidente do Fed da Filadélfia, Charles Plosser. Ele reafirmou nesta manhã que a situação da economia norte-americana justifica a redução da política de relaxamento quantitativo, mas que reduzir gradualmente o relaxamento não significa encerrá-lo de vez. Na Europa, a Bolsa de Londres tinha leve queda de 0,06%; Paris, -0,40% e Frankfurt, -0,12%.

"A Bovespa também deve ser influenciada pelos preços das commodities", ressaltou um operador, referindo-se aos preços do petróleo e do minério de ferro que afetam Vale e Petrobras. Hoje, os investidores também avaliam os últimos números da temporada de balanços do primeiro trimestre de 2013 e haverá resposta, porém, "sem grandes influências sobre o principal índice da Bolsa", avaliou o operador.

Entre os números, CSN encerrou os três primeiros meses do ano com um lucro de R$ 16,316 milhões, queda de 82,39% ante igual período do ano passado. Eletrobras reportou um prejuízo líquido consolidado de R$ 36 milhões, revertendo lucro de R$ 1,268 bilhão na mesma comparação. Já Cemig teve lucro líquido de R$ 865,347 milhões, alta de 37,05% ante igual período de 2012.

Tudo o que sabemos sobre:
bolsaIbovespa

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.