Bovespa abre realizando lucros, atenta a discursos de dirigentes do FED

Agenda esvaziada no exterior em termos de indicadores econômicos abre espaço para um embolso dos ganhos recentes

Olívia Bulla, da Agência Estado,

20 de setembro de 2013 | 10h21

Após o rali dos mercados financeiros globais, induzido pela decisão de quarta-feira do Federal Reserve, nesta sexta, 20, a Bovespa dá continuidade à realização de lucros iniciada na véspera. Até pela performance acumulada nesta leitura parcial de setembro, com valorização ao redor de 10%, é esperado tal movimento por parte dos investidores. A agenda esvaziada no exterior em termos de indicadores econômicos também abre espaço para um embolso dos ganhos recentes, mas as atenções se deslocam para os discursos de dirigentes do Banco Central dos Estados Unidos. Às 10h03, o Ibovespa caía 0,15%, aos 55.012,17 pontos, na mínima.

Operadores avaliam que as bolsas de valores continuam mostrando sinais de cansaço, depois das intensas correções dois últimos dois dias, diante da surpresa com o Fed. Para eles, os ativos de risco parecem estafados, sem fôlego para grandes movimentos e com os pregões andando de lado. A ausência de dados econômicos norte-americanos no dia tampouco traz alguma inspiração para os negócios, mas os investidores monitoram as palavras de membros do BC dos EUA, que falam hoje, ao longo do dia.

Pela manhã, o presidente do Fed de Saint Louis, James Bullard, afirmou que uma pequena redução no programa de compra de bônus do Fed é possível em outubro, e que a decisão de não fazer isso na reunião encerrada na quarta-feira foi "limítrofe". Segundo ele, a decisão de setembro foi apertada. Logo mais, às 13h55, Bullard deve voltar a discursar, durante almoço em Nova York, ao lado de outros dirigentes do FED.

À espera desses dirigentes, o futuro do S&P 500 caía 0,108%. Na Europa, o sinal positivo também prevalece, antes da divulgação, às 11 horas, da leitura preliminar de setembro do índice de confiança do consumidor na zona do euro.

Internamente, destaque para a prévia do índice oficial de inflação no País, o IPCA-15 medido pelo IBGE, que acelerou para 0,27% em setembro, de +0,16% em agosto. Está previsto também para esta sexta a divulgação dos números de agosto do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE).

Tudo o que sabemos sobre:
Bovespa

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.