Bovespa acaba no vermelho, após sobe e desce no dia

Queda é de 0,2%, aos 50.405 pontos, após avançar 1,31% na máxima e recuar 0,89% na mínima

Claudia Violante, da Agência Estado,

21 de agosto de 2013 | 17h40

O mercado acionário doméstico operou como uma gangorra nesta quarta-feira, 21. Abriu em baixa, virou para cima, caiu com a ata do Federal Reserve (Fed, o banco central dos Estados Unidos) e voltou a subir com Petrobras para, finalmente, fechar no vermelho. A Bovespa encerrou com queda de 0,20%, aos 50.405,20 pontos.

Na mínima, o Ibovespa registrou 50.055 pontos (-0,89%) e, na máxima, 51.171 pontos (+1,31%). No mês, acumula ganho de 4,50%, mas tem perda de 17,3% no ano. O giro financeiro totalizou R$ 7,917 bilhões. Os dados são preliminares.

Segundo operadores, a Bovespa pegou tração quando o Fed começou a divulgar a ata do último encontro de política monetária. A autoridade monetária dos EUA não trouxe indícios de quando vai iniciar a retirada dos estímulos, mas cresceu o número de dirigentes que concordam com o começo do processo.

As Bolsas norte-americanas renovaram as mínimas na hora da divulgação da ata do Fed. O Dow Jones recuou 0,70%, aos 14.897,55 pontos, o S&P teve baixa de 0,58%, aos 1.642,80 pontos, e o Nasdaq perdeu 0,38%, aos 3.599,79 pontos.

O comportamento em Nova York serviu de guia à Bovespa, que ainda repercutiu a volta dos rumores sobre reajustes dos combustíveis pela Petrobras. Os papéis da estatal chegaram a superar 3% de alta na máxima do dia, mas fecharam com menos vigor. A ON avançou 1,16% e a PNA, 1,23%.

No caso da Vale, ambas as ações, ON e PNA, caíram 1,05%, depois de operarem em alta durante a maior parte do pregão.

Tudo o que sabemos sobre:
Bovespa

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.