Bovespa acelera alta durante a tarde

Às 15h10, o Ibovespa registrava valorização de 2,04%, aos 65.170 pontos

Agência Estado e Economia & Negócios,

27 de agosto de 2010 | 14h56

A Bovespa deixa para trás seis pregões de queda, recuperando-se com a melhora do mercado internacional, após declarações do presidente do Federal Reserve (Fed, banco central americano), Ben Bernanke, de que o órgão está pronto para fazer o que for necessário para dar sustentação à recuperação econômica dos EUA. As blue chips (ações de primeira linha) puxam as altas.

Às 15h10, o Ibovespa registrava valorização de 2,04%, aos 65.170 pontos, após alcançar a máxima de 65.191 pontos e a mínima de 63.847 pontos. O giro financeiro era de R$ 3,5 bilhões, com previsão de R$ 6,32 bilhões para o fechamento. No mesmo momento, o Dow Jones registrava alta de 0,65%, enquanto o S&P 500 subia 1,34%.

Petrobrás PN sobe 2,26% e ON avança 2,06%, enquanto investidores aguardam novas informações a respeito da cessão onerosa que a União fará à estatal e de outros detalhes a respeito do processo de capitalização da empresa. Para o chefe de análise da SLW, Pedro Galdi, a valorização dos papéis mostra que muitos investidores estão apostando que a capitalização da empresa ocorra mesmo em setembro e que as ações devem se recuperar das perdas acumuladas no ano.

Embora o governo negue que haja uma definição sobre o preço do barril, fontes ouvidas pela jornalista Kelly Lima, da Agência Estado, adiantaram que o martelo já foi batido em torno do valor do barril que será usado na cessão onerosa. Salvo qualquer argumentação extraordinária nos próximos dias, o barril da cessão onerosa para a Petrobraás ficará em US$ 8,50. O valor está exatamente no meio entre o mínimo e o máximo sugerido nos laudos das consultorias contratadas pela Agência Nacional do Petróleo (ANP) e Petrobras para avaliar a área de Franco que será cedida pela União à estatal dentro de seu processo de capitalização.

Vale PNA opera em alta de 2,46% e ON com ganhos de 2,68%. Os papéis seguem em alta mesmo após notícias de que a empresa vai reduzir o preço do minério de ferro em cerca de 10% a partir de outubro. Resultado de uma política de revisão trimestral de preços adotada este ano pela mineradora, os novos valores usam como referência a cotação do mercado à vista da China, que caiu nos últimos meses.

O índice preciso só será fechado na próxima terça-feira, mas em entrevista ao jornal O Estado de S. Paulo, o diretor executivo de Marketing, Vendas e Estratégia da mineradora, José Carlos Martins, disse que a redução deve ficar nesse patamar, a menos que aconteça alguma mudança drástica. Para alguns operadores, se confirmada, a queda não é ruim para a Vale, uma vez que o patamar de preços do insumo já está bastante alto.

A despeito das discussões sobre o minério de ferro, a empresa anunciou hoje que a sua joint venture com a African Rainbow Minerals Limited (ARM), iniciará o desenvolvimento do projeto de cobre de Konkola North na Zâmbia. "O desenvolvimento deste projeto é consistente com nossa estratégia de nos tornarmos um dos maiores produtores mundiais de cobre e criará valor significativo para nossos acionistas", diz a empresa em comunicado.

 

Tudo o que sabemos sobre:
açõesValePetrobrásBovespa

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.