Bovespa acompanha cena externa e sobe

Às 15h15, o Ibovespa registrava alta de 0,30%, aos 67.101 pontos

Luciana Collet, da Agência Estado ,

28 de fevereiro de 2011 | 13h14

A Bovespa opera em alta nesta segunda-feira, acompanhando o movimento das bolsas internacionais, com diversos gestores tentando garantir um desempenho melhor para suas carteira neste mês de fevereiro, após um janeiro bastante fraco. Varejistas, bancos, construtoras e aéreas se recuperam, colaborando para manter o Ibovespa em campo positivo. Vale também mantém sua trajetória de alta e ajuda no movimento, enquanto Petrobrás recua e impede uma valorização maior da Bolsa.

Às 15h15, o Ibovespa registrava alta de 0,28%, aos 67.101 pontos, após alcançar a máxima de 67.458 pontos (+0,83%). O giro financeiro era de R$ 1,61 bilhão, com previsão para alcançar os R$ 6,16 bilhões no encerramento da sessão. Em Nova York, o Dow Jones subia 0,74% e o S&P 500 avançava 0,61%

Vale PNA subia 0,08%, enquanto a ação ON da mineradora avançava 0,29%, ainda repercutindo o balanço da companhia, divulgado na sexta-feira, repleto de números recordes, e o cenário positivo para a empresa. "A Vale sinalizou que haverá um reajuste de mais 20% no minério de ferro neste ano", comentou um operador.

Já na lista de maiores altas, estão diversos papéis que acumulam queda ao longo do mês, como os das varejistas B2W ON e Lojas Americanas PN, e Fibria ON .

Destaque para TIM PN, enquanto a ação ON da operadora subia, após a Telecom Italia ter divulgado suas projeções (guidance) para investidores, entre elas planos de metas para o Brasil. Na apresentação da teleconferência da empresa italiana consta que a previsão é obter um Ebitda (lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização) maior que R$ 4,5 bilhões em 2011. Em 2010, o indicador de medida de caixa somou R$ 4,193 bilhões, alta de 18,4% ante 2009.

TAM PN também subia após a empresa anunciar que registrou lucro líquido de R$ 150,6 milhões no quarto trimestre de 2010, o que representa alta de 7,9% sobre os R$ 139,6 milhões do mesmo período de 2009 seguindo o padrão de contabilidade IFRS.

Petrobrás ON cedia 1,89%, encabeçando as quedas do Ibovespa, enquanto a PN baixava 0,66%. Na sexta-feira a empresa divulgou um balanço considerado dentro do esperado pelo mercado. Em seus comentários sobre os resultados da estatal, analistas que acompanham a empresa destacaram que a alta do lucro no quarto trimestre foi ocasionada principalmente pelo melhor resultado financeiro da empresa e pela elevação dos preços do petróleo e derivados, fatores que se sobrepuseram aos resultados operacionais. O fraco resultado do Ebitda trimestral preocupa especialistas, que também salientaram a pressão de custos.

Operadores acrescentam que além da demonstração financeira, a queda do preço do petróleo também estimula vendas do papel. Hoje o barril do petróleo opera em leve queda na Nymex eletrônica, cotado aos US$ 97,72 (-0,19%). "Petrobrás subiu forte semana passada por conta do petróleo, então é natural haver alguma realização acompanhando a baixa da cotação", diz um profissional.

Outro papel que passa por correção após forte alta é Klabin (-0,96%). Os resultados da companhia divulgados na semana passada impulsionaram as ações da empresa na semana passada.

(Texto atualizado às 15h15)

 

Tudo o que sabemos sobre:
bolsaBovespaValePetrobrás

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.