Bovespa acompanha NY e acelera ganhos durante a tarde

Às 15h27, o Ibovespa registrava alta de 1,04%, aos 70.592 pontos

Luciana Collet, da Agência Estado,

20 de outubro de 2010 | 12h54

A Bovespa acelera os ganhos na tarde desta quarta-feira, 20, após operar em leve alta nas primeiras horas do pregão, recuperando parte da forte queda registrada ontem, movimento também observado nos mercados internacionais. Com isso, o principal índice da bolsa paulista consegue retomar os 70 mil pontos perdidos na terça-feira. Analistas consideram, no entanto, a possibilidade de uma reversão do movimento, uma vez que persiste o risco de continuidade de realizações verificadas ontem. "O clima ainda é de cautela", disse um profissional. As siderúrgicas puxam as quedas do Ibovespa e impedem uma alta maior.   

Às 15h27, o Ibovespa registrava alta de 1,04%, aos 70.592 pontos. O giro financeiro era de R$ 4,2 bilhões, com previsão de R$ 7,73 bilhões para o fechamento. Em Nova York, o Dow Jones subia 1,35%, enquanto o S&P 500 avançava 1,23%.

 

As quedas eram lideras pela Usiminas PNA, seguida de CSN ON e Usiminas ON. Em relatório, o Barclays Capital reitera sua visão vendedora para o setor siderúrgico brasileiro, por conta da deterioração da previsão de lucros, dado o alto nível dos estoques e os descontos concedidos pelas empresas. "Recomendamos não exposição ao Brasil", afirma, declarando a Ternium sua preferida, negociada com desconto de 35% em relação às suas pares brasileiras. No Brasil, a preferência é por CSN, devido à sua maior exposição ao mercado de minério de ferro e às previsões relativamente maiores de ganho.

 

Ao comentar dados do Instituto Nacional dos Distribuidores de Aço (Inda) para o mês de setembro, o Barclays destaca que a temporada de desestocagem começou e que os estoques devem ser normalizados apenas no final do 1º trimestre de 2011. Em setembro, os níveis de estoques da distribuição corresponderam a 3,9 meses de venda, ligeiramente abaixo do volume de estoques equivalente a quatro meses de vendas, observado em julho e agosto. O banco destaca também que as compras feitas pela distribuição tiveram queda de 12% em setembro ante agosto, para 282 mil toneladas e prevê que as compras continuarão fracas até o final do ano.

 

Já os papéis PNA da Vale registram alta de 1,91%, enquanto os ON avançam 2,29%, contrariando o movimento dos metais, mais cedo os metais recuavam, tanto em Londres como em Nova York em meio aos temores de que uma desaceleração no crescimento na China possa pesar sobre a demanda dos metais, particularmente do cobre. 

O cenário para o minério de ferro foi positivo, o UBS elevou sua previsão para o preço do minério de ferro do tipo finos em 23%, 23%, 15% e 8% entre 2011 e 2014, com base no preço CIF (em que o exportador paga o custo e o frete necessários para que os produtos cheguem ao destino) na China. A revisão nas projeções foi feita diante da expectativa de que o governo norte-americano anuncie novas medidas à economia após a reunião do Fed marcada para 3 de novembro. "Isso tem implicações significativas para as commodities, prolongando o mercado comprador atual".

 

Petrobrás operava com volatilidade. As PN em alta de 0,36% e as ON ganhavam 0,51%, em dia de recuperação do petróleo na Nymex eletrônica, com o barril cotado aos US$ 81,84 (+2,96%). 

Na tarde de ontem, o presidente da Petrobrás, José Sergio Gabrielli, disse que atraso no processo de perfuração de rochas na costa do litoral paulista obrigou a Petrobrás a revisar o cronograma para início das operações no campo de Mexilhão. Segundo a produção no local (de 15 milhões de metros cúbicos de gás por dia) deverá ter início somente no primeiro trimestre de 2011. O cronograma inicial indicava que a produção seria iniciada no terceiro trimestre de 2010.

"Minha vontade é que a produção seja iniciada em janeiro, mas o cronograma prevê o prazo do primeiro trimestre", afirmou Gabrielli, em coletiva concedida após palestra na abertura da Santos Offshore Oil & Gas Expo.

(Texto atualizado às 15h33)

Tudo o que sabemos sobre:
BovespaValePetrobrás

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.