Bovespa acompanha NY e sobe forte

O Ibovespa, principal índice da Bolsa de Valores de São Paulo, acompanhou a recuperação das Bolsas em Nova York após a divulgação do Livro Bege - resumo da atividade econômica preparado para servir de base para a próxima reunião de política monetária nos EUA, marcada para os próximos dias 27 e 28. Às 16h32, a alta do Ibovespa era de 1,91% em relação ao fechamento de ontem e o volume de negócios projetado para o fim do dia era de R$ 2,27 bilhões. Segundo um operador, as indicações de que a economia dos Estados Unidos (EUA) crescerá em ritmo moderado foi suficiente para animar as mesas de operação. As ações da Companhia Vale do Rio Doce (CVRD), a segunda mais negociada do dia, disparavam 2,32%. Segundo a especialista Catarina Pedrosa, do Banif Investment Banking, o mercado já absorveu os potenciais efeitos negativos das restrições finalmente admitidas pela China para as importações de minério. O diretor-executivo de Finanças da companhia, Fábio Barbosa, acredita que as pressões constantes da China nas negociações do preço do minério de ferro não deverão ter força suficiente para impedir o reajuste da matéria-prima. O executivo explicou que a forte demanda versus a oferta escassa deve fazer com que prevaleça a regra de mercado, com aumento dos preços. Petrobras continuava com a melhor negociação do dia e subia 1,72%. Na lista de maiores altas da Bolsa, destaque para a recuperação das elétricas: Light liderava com +6,34%, seguida por Cemig ON e PN.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.