Sergio Castro/Estadão
Sergio Castro/Estadão

Bovespa acumula queda de 4,7% em três dias

Nova queda no preço do petróleo manteve a Petrobrás como um dos principais destaques negativos; ação da estatal recuou mais de 4%

Claudia Violante, O Estado de S. Paulo

10 Dezembro 2014 | 17h59

A aversão ao risco global imputou o terceiro pregão consecutivo de perdas à Bovespa nesta quarta-feira - o sexto em oito sessões neste mês. As vendas foram disseminadas, mas o contínuo recuo do preço do petróleo manteve Petrobrás como um dos principais destaques negativos da sessão. A saída do investidor estrangeiro, entretanto, passou por outros setores, como o financeiro, o que detém maior fatia da composição do Ibovespa.  

A Bolsa paulista terminou a sessão com baixa de 1,29%, aos 49.555,24 pontos - menor nível desde 26 de março (47.965,61 pontos). Na mínima, registrou 49.297 pontos (-1,79%) e, na máxima, marcou 50.192 pontos (estabilidade). No mês, acumula perda de 9,45% e, no ano, de 3,79%. Nesta semana de sucessivas perdas, já caiu 4,69%. O giro financeiro totalizou R$ 5,559 bilhões. 

A fuga do risco foi motivada pelas preocupações com a economia chinesa e também pelas incertezas políticas na Grécia, depois que o país anunciou que o Parlamento deve votar para um novo presidente em 17 de dezembro, antecipando em dois meses o prazo previsto.

Na China, os indicadores inflacionários ficaram abaixo das previsões e sinalizaram fraqueza da segunda maior economia do planeta. Isso prejudicou o preço das commodities, como minério e petróleo, sendo que neste último caso os dados de produção da Opep e de estoques nos EUA também imputaram um forte movimento vendedor do ativo. O contrato para janeiro do petróleo negociado na Nymex fechou em baixa de 4,51%, US$ 60,94 o barril. 

Petrobrás ON caiu 4,17%, a R$ 10,11, menor nível desde 16 de maio de 2005 (R$ 9,86, ajustada por proventos). Petrobrás PN recuou 4,67%, a R$ 10,83, patamar mais baixo desde 11 de novembro de 2005 (R$ 10,78, ajustada por proventos). Os dados são da Economatica.

Vale recuou 3,72% e Vale PNA 3,74%. No setor financeiro, Bradesco PN cedeu 2,91%, Itaú Unibanco PN, 1,51%, BB ON, 4,89%, Santander unit, 1,95%. 

Nos EUA, as bolsas operavam com queda firme no horário de fechamento da Bovespa, prejudicadas pela aversão ao risco e pelo preço fraco do petróleo. Às 17h31, os índices estavam nas mínimas, com Dow Jones em -1,46%, S&P, -1,48% e Nasdaq em -1,43%.

Mais conteúdo sobre:
bovespapetrobrás

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.