Bovespa avança 1,77% e encerra em nível recorde

A Bolsa de Valores de São Paulo fechou hoje em nível recorde de pontos, pela segunda vez este ano. O Ibovespa, principal índice, avançou 1,77%, para 45.995 pontos. O recorde anterior, estabelecido no dia 2 de janeiro, era de 45.382 pontos. Estimulada pelo tom suave do discurso do presidente do banco central norte-americano ao Senado do país, a Bolsa paulista operou o dia todo em alta, chegando a romper o importante patamar psicológico dos 46 mil pontos. Além disso, com o movimento inflado pelo vencimento de contratos de opções sobre índice, o mercado acionário registrou ainda outro recorde, o de volume, com R$ 14,3 bilhões negociados. Os mercados mundiais reagiram favoravelmente ao discurso do presidente do Federal Reserve (Fed, BC norte-americano), Ben Bernanke. Os investidores comemoraram o tom suave do discurso com relação à inflação, que acalmaram as preocupações com relação ao potencial de uma nova alta da taxa de juro nos EUA neste ano. Com isso, o mercado de ações norte-americano ampliou sua valorização: o índice Dow Jones também caminha para novo fechamento recorde (às 18h13, horário de Brasília, o índice subia 0,77%, para 12.752 pontos, ante 12.673 pontos do recorde anterior). Por aqui, na máxima do dia, o Ibovespa subiu 2,01%, para 46.106 pontos, sua nova máxima recorde. Embora Bernanke tenha dito que a inflação ainda é o risco predominante e que o Fed está preparado para agir caso seja necessário, manteve a linha das manifestações anteriores do Fed, que conduziram as expectativas para a manutenção dos juros no curto prazo. "Até o momento, os indicadores econômicos sustentaram a visão de que a atual postura da política (monetária) deverá fomentar crescimento sustentável da economia e uma queda gradual do núcleo do inflação", disse Bernanke. O volume recorde, de R$ 14,3 bilhões, foi conquistado graças ao vencimento de opções sobre índice. O recorde anterior, do dia 13 de dezembro, também aconteceu em um dia de vencimento de opções e foi de R$ 11,1 bilhões. A opção é um contrato que confere ao portador o direito de compra ou venda de um ativo a um preço predeterminado. O vencimento de opções é a data de validade desses contratos. A partir do dia seguinte, o detentor da opção não pode mais exercê-la. Por isso, o exercício das opções se concentra neste dia, inflando o volume da Bolsa.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.