Bovespa avança atenta ao mercado internacional

A Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) abriu em alta e deve seguir atrelada ao mercado internacional, com a retomada da agenda de indicadores econômicos nos Estados Unidos, mas ainda deve ser bastante influenciada por notícias pontuais corporativas, como tem acontecido nos últimos pregões. Às 10h13, o Ibovespa (principal índice da Bovespa) subia 0,28%, aos 39.862 pontos. Entre os indicadores norte-americanos que podem mexer com a trajetória dos juros dos títulos do Tesouro dos Estados Unidos (Treasuries) nesta véspera da divulgação do livro Bege estão o índice de confiança do consumidor de abril, da Conference Board, que sai às 11 horas. No mesmo horário, saem as vendas de imóveis residenciais usados em março. A temporada de divulgação de balanços nos EUA continua animando os investidores. O Nasdaq futuro subia 0,10% enquanto o S&P 500 registrava ganho de 0,14%. A preocupação com a alta do petróleo, que hoje voltou a subir, impede uma comemoração maior, assim como a expectativa com o pronunciamento do presidente do Federal Reserve (Fed, banco central dos EUA), Ben Bernanke, quinta-feira, no Congresso, e a divulgação da prévia do PIB do primeiro trimestre nos EUA, na sexta-feira. A Bovespa também tem motivos domésticos para uma dose de cautela: a divulgação da ata do Comitê de Política Monetária (Copom) na quinta. Aqui, a temporada de balanços, que começa a esquentar esta semana, não deve decepcionar. Pelo menos essa é a expectativa dos analistas. A Gol anunciou ontem à noite o melhor resultado trimestral da sua história. O lucro líquido atingiu R$ 179,8 milhões, 37,2% maior do que o valor apurado em igual período do ano passado. O lucro veio melhor do que o esperado pelo analistas. Hoje cedo a Net informou que reverteu o prejuízo e lucrou R$ 7,2 milhões no primeiro trimestre. O lucro da empresa veio abaixo do previsto. Deve sair ainda nesta terça-feira o balanço da Tractebel. Após terem evitado uma desvalorização maior da Bolsa ontem, as ações da Vale devem seguir movimentando os negócios por causa da expectativa crescente com o resultado das negociações do preço do minério de ferro com as siderúrgicas chinesas. As ações PNA de Vale subiram quase 3% na segunda-feira. Após o presidente da companhia, Roger Agnelli, ter dito que a demanda por minério segue forte - em março, a procura chinesa cresceu 28% - o mercado passou a ficar mais otimista em relação a um reajuste maior do que o vinha sendo especulado (entre 10% a 15%) para o minério de ferro. O mercado financeiro deve ficar atento hoje ao resultado das contas do Governo Central de março, considerado uma proxy do setor público consolidado, cujos números serão anunciados amanhã. Segundo o AE Projeções, as contas do Governo Central devem encerrar março com superávit de R$ 5 bilhões a R$ 8 bilhões (mediana em R$ 6,8 bilhões).

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.