Bovespa avança, mas mantém cautela com Palocci e NY

O Ibovespa, principal índice da Bolsa de Valores de São Paulo, devolveu as perdas acumuladas desde o período da manhã desta segunda-feira e, às 16h57, operava com valorização de 0,71% em relação ao fechamento dos negócios na sexta-feira. Operadores comentam, porém, que a bolsa opera em compasso de espera, enquanto não se define o destino do ministro da fazenda, Antonio Palocci. Além disso, as bolsas em Wall Street também operavam sem direção definida, aguardando o resultado da reunião do BC americano (Federal Reserve, o Fed), amanhã, que definirá a taxa de juros nos EUA. "A Bovespa caiu de manhã com rumores de que o Palocci poderia sair hoje do governo. Agora já se fala que ele pode ficar mais um tempo, mas sem saber quanto. E a bolsa sobe", explicou um operador. As declarações de Ricardo Schumann, consultor da Caixa Econômica Federal (CEF), à Polícia Federal (PF), de que o presidente da CEF, Jorge Mattoso, teria ordenado a quebra de sigilo do caseiro Francenildo, foram recebidas com divergências nas mesas de operações. Há quem acredite que se Mattoso assumir toda a responsabilidade pela quebra do sigilo, o ministro Palocci estará livre dessas acusações. E o caseiro terá que explicar mais claramente a origem do dinheiro que está em sua conta poupança. Por outro lado, há quem acredite que Mattoso poderá ser o primeiro a ser atingido e Palocci continuará na mira da oposição por se tratar de um ano eleitoral. Na Bovespa, o volume de negócios estava em R$ 1,646 bilhão, projetando R$ 1,9 bilhão para o encerramento dos negócios. Em Wall Street, o Dow Jones, principal índice das bolsas de NY, operava em baixa de 0,14%, e o Nasdaq, que reúne a maioria das ações de tecnologia, subia 0,2%. "A oscilação lá fora também mantém a bolsa sem tendência por aqui", disse um operador.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.