Bovespa busca forças, mas incerteza política atrapalha

A Bovespa tenta se recuperar da queda de 1,53% na quarta-feira, 13, mas as incertezas sobre como ficará a disputa eleitoral com a morte de Eduardo Campos (PSB) atrapalham esse processo, assim como o fôlego curto mostrado pelas bolsas de Nova York. As ações da Petrobras hesitam, após terem despencando na véspera. Na mesma direção, os papéis da Vale seguem em baixa. Na contramão, Banco do Brasil ON sobe 3,0% após divulgar balanço que agradou o mercado.

LUCIANA ANTONELLO XAVIE, Estadão Conteúdo

14 de agosto de 2014 | 10h53

Conforme apurou o Broadcaste, serviço de informações em tempo real da Agência Estado, analistas internacionais avaliam que Marina Silva deverá ser a nova candidata do PSB à Presidência e que esse novo cenário levará o pleito ao segundo turno, com a ex-ministra conquistando parte dos votos em branco e nulo e dos indecisos. Para os analistas, o mercado brasileiro deve permanecer volátil até que haja uma definição sobre a candidatura, mas cresce a incerteza sobre quem desafiaria a presidente Dilma Rousseff em um segundo turno.

Às 10h32, o Ibovespa subia 0,06%, aos 55.615,06 pontos. Em Nova York, o Dow Jones subia 0,15%, o Nasdaq 0,11% e o S&P 500 tinha alta de 0,12%.

As ações da Petrobras subiam 0,21% (PN) e 0,23% (ON). Já as da Vale registravam queda de 1,15% (PNA) e de 1,44% (ON). As do Banco do Brasil ON subiam 3,07% e eram destaque de alta do índice, após ter divulgado mais cedo que fechou o segundo trimestre com lucro líquido ajustado de R$ 3,002 bilhões, o que representa um aumento de 14% no confronto anual, superando as expectativas de analistas do mercado financeiro.

Em tempo: A presidente e candidata à reeleição, Dilma Rousseff, cancelou por três dias sua agenda de campanha por conta do falecimento do ex-governador Eduardo Campos. No entanto, manteve as atividades de presidente.

Tudo o que sabemos sobre:
Bovespapolíticaincertezas

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.