Bovespa cai 1,8% na abertura com nervosismo lá fora

O índice Ibovespa da Bolsa de Valores de São Paulo registrou forte baixa logo na abertura do pregão, às 10 horas, por conta do nervosismo no mercado internacional. O Ibovespa caiu até a mínima de -1,83% (35.566 pontos), mas em seguida recuperou-se um pouco e operava em baixa de 1,49% às 10h15. A tensão política no Oriente Médio, com os ataques de Israel ao Líbano, levou o preço do petróleo a novo recorde na Bolsa Mercantil de Nova York, cotado a US$ 75,89 o barril para entrega em agosto. O medo de que essa alta do petróleo tenha efeitos negativo na inflação e no consumo norte-americano está derrubando os índices futuros das bolsas em Wall Street, que ontem já haviam fechado em queda de mais de 1% reagindo ao primeiros sinais de acirramento da tensão internacional. Israel confirmou hoje bloqueio naval e aéreo ao Líbano, após bombardear ontem o aeroporto internacional de Beirute com o objetivo de pressionar o Líbano a conter as ações do Hezbollah. Nas principais bolsas de valores da Europa, a queda esta manhã já encosta em 2%. Inseguros e temerosos do que pode vir pela frente, os investidores compram títulos do Tesouro dos EUA. Isso explica a queda do juro destes títulos. O rendimento do papel de 10 anos estava no nível de 5,09% por volta das 10 horas. Na outra ponta, países emergentes como o Brasil sofrem com a queda dos títulos da dívida externa. O risco Brasil registrava alta de 7 pontos esta manhã, para 255 pontos. Dificilmente a Bovespa vai resistir hoje às pressões externas, como aconteceu ontem ajudada em parte pelas ações da Petrobras.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.