Bovespa cai mais de 4%, pressionada por clima externo

A segunda-feira está começando em clima de fim de mundo. O Ibovespa, o principal índice da Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa), abriu em queda de 0,82%. Na Ásia, as bolsas desabaram, e as perdas se estendem esta manhã pela Europa e Estados Unidos, na esteira da continuidade do movimento de ajuste forte nos preços das commodities e das preocupações com a economia norte-americana. Às 10h31, o Ibovespa caía forte (4,18%), aos 36.186 pontos. As ações das mineradoras operam em baixa acentuada. Em Londres, BHP Billiton e Rio Tinto caíam mais de 4%. As ações da Antofagasta perdiam mais de 7% e os das Xstrata operavam em queda superior a 6%. Nos EUA, o Nasdaq futuro apontava baixa de 0,83% e o S&P 500 recuava 0,51%. O juro do título do Tesouro norte-americano de 10 anos, que na semana passada estava no nível 5,17% ao ano se mantém em baixa, com rendimento de 5,03% ao ano, movimento que reflete a saída dos investidores de fundos de commodities e de fundos emergentes. "Não se trata só de um movimento especulativo, mas de um redirecionamento de recursos", afirma o diretor da Ágora Corretora, Alvaro Bandeira. Especialistas observam que se essa correção nos preços das commodities pode ter efeito positivo na inflação norte-americana, num horizonte um pouco mais longo. Com os preços das commodities caindo, as pressões inflacionários tendem a se reduzir com impacto favorável nas expectativas de juro nos EUA. O petróleo era negociado por volta das 10 horas em baixa de mais de 1% na Nymex, na faixa de US$ 67,75 o barril. A Bolsa registra perda de 6,5% em maio. Mas no ano ainda acumula ganho de 12,7%. O saldo de capital externo na Bovespa agora está negativo em R$ 49,570 milhões este mês, com a saída de R$ 197,118 milhões registrada na última quarta-feira. Aqui, uma notícia que pode vir a mexer com as ações de Embraer é de que a empresa poderá fornecer 22 jatos 190 para a TAM. A Embraer concorre com a Airbus no processo de escolha de aviões que irão substituir os Folker-100.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.