Bovespa cai na abertura, reagindo à inflação dos EUA

A Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) reagiu da pior maneira possível ao núcleo do índice de preços ao consumidor (CPI) acima das previsões dos analistas. A taxa reavivou o temor de um possível prolongamento do ciclo de alta do juro norte-americano. O núcleo (que exclui os preços de energia e alimentos) do CPI avançou 0,3%, quando o esperado era 0,2%. O Ibovespa futuro, que vinha operando em alta, reverteu o sinal assim que o indicador saiu. Na abertura, os negócios, a Bolsa paulista caía e às 10h09 recuava 1,10%, aos 38.980 pontos. O Nasdaq futuro registrava baixa de 0,57% e o S&P 500 recuava 0,49%, abandonando a recuperação do início do dia que era influenciada pela valorização expressiva das ações da Hewlett-Packard. A HP anunciou lucro acima do esperado e projeções em linha com as estimativas dos analistas. Na Europa, as bolsas aprofundaram as quedas. O desempenho da Bovespa hoje está diretamente relacionado à reação dos investidores norte-americanos ao longo do dia a essa alta do núcleo do CPI. A divulgação logo mais, às 11h30, dos dados sobre estoques de petróleo e derivados nos EUA na última semana pode trazer mais volatilidade aos negócios. Por enquanto, o preço do petróleo registra ligeira elevação. Ao mesmo tempo em que monitoram o ambiente externo, o mercado doméstico deve voltar os olhos novamente para as ações da Vale, que está na ordem do dia em função das negociações sobre o reajuste do minério de ferro. Esta manhã, a Vale fechou reajuste de 19% com as siderúrgicas japonesas, mesmo porcentual negociado na segunda-feira com a alemã ThyssenKrupp. O preço de pelotas terá redução de 3%. Mas com as siderúrgicas chinesas ainda se mostram relutantes em aceitar um reajuste dessa magnitude. A Baosteel, representante das siderúrgicas chinesas nas negociações, informou que não concorda com o aumento de preço. Ontem, os investidores aproveitaram o fato de ter saído o reajuste de 19% para realizar lucros. Vale PNA caiu 2,95% e ON se desvalorizou 2,95%. Na Europa, as ações da mineradoras estavam se recuperando acompanhando a alta nas cotações dos metais. A Bovespa interrompeu na última sexta-feira uma seqüência de entradas de capital externo que vinha desde 17 de abril. Houve uma saída de R$ 115,642 milhões. Naquele dia, a Bolsa fechou em baixa de 1,55%, com 40.211 pontos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.