Bovespa despenca 3,93% com quedas de metais

A Bolsa de Valores de São Paulo teve uma queda vertiginosa no início desta tarde - chegou a se desvalorizar 3,93%, operando abaixo dos 43 mil pontos. Por trás dessa piora de humor está a aceleração das perdas das bolsas em Nova York e dos metais no exterior - o cobre caía 2,67% e o ouro à vista cedia 2,99% por volta das 15 horas em Nova York. Além disso, os preços do petróleo, que ensaiaram recuperação no decorrer da manhã, retomaram a trajetória descendente. Com isso, as ações preferenciais da Petrobras chegaram a cair 5,35% no pior momento, cotadas a R$ 45,10. Por volta das 15 horas, com o Ibovespa, principal índice, fora das mínimas, em baixa de 3,02%, Petrobras PN recuava 2,83% e Petrobras ON registrava baixa de 2,10%. As ações do setor de mineração e siderurgia também não ficaram atrás. Vale PNA desabava 3,74% no horário citado e a ON cedia 3,38%. Gerdau PN perdia 3,11%, Usiminas PNA tinha desvalorização de 2,86% e CSN ON recuava 2,71%. Mas as perdas hoje são generalizadas. Nenhuma ação do Ibovespa opera em alta. Vivo PN lidera a lista de baixas, com -6,89%, seguida por Telemig Celular PN -5,82%. Em Wall Street, o índice Nasdaq, da Bolsa eletrônica, ampliou o sinal de baixa e recuava 1,13%, enquanto o índice Dow Jones, do setor industrial, cedia 0,69%. A deterioração da Bolsa no início da tarde surpreendeu os analistas. "Todo mundo com quem conversei está boquiaberto com o que está acontecendo. É uma queda meio no vazio", diz uma fonte. "Acho que tem mais terrorismo do que realidade nessa queda toda", disse.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.