Bovespa e Bolsas de NY invertem sinais com petróleo

A Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) não conseguiu sustentar a leve alta da abertura e passou a acompanhar o mercado de ações de Nova York, que também inverteu o sinal do início do dia e opera em queda. O desempenho, segundo operadores, está atrelado à forte alta no preço do petróleo no mercado internacional. Às 11h07 (de Brasília), o contrato futuro na Bolsa Mercantil de Nova York subia 1,17%, a US$ 63,01 o barril. Em Londres, o petróleo tinha ganho de 1,68%, a US$ 64,24 o barril. Também no horário acima, a Bovespa caía 0,78%, aos 45.177 pontos, após atingir a máxima de +0,39%. O volume projetado para o fim do dia estava em R$ 2,85 bilhões. Nos Estados Unidos, o índice Dow Jones perdia 0,66%; o Nasdaq tinha baixa de 0,51%; e o S&P 500 registrava desvalorização de 0,63%. No câmbio, o dólar comercial operava estável, cotado a R$ 2,062. No pregão viva-voz da Bolsa de Mercadorias & Futuros (BM&F), o dólar à vista valia R$ 2,061 (também estável). Já as principais taxas futuras de juros na BM&F tinham sinais opostos. O contrato de depósito interfinanceiro (DI) com vencimento em janeiro de 2009 projetava taxa de 11,69% ao ano, a mesma verificada no fechamento de sexta-feira; o DI para janeiro de 2010 tinha taxa de 11,64% ao ano, ante 11,65% de sexta.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.