Bovespa encerra em alta de 2,02%, com melhora externa

A inesperada deflação no núcleo do índice de preços ao produtor (PPI) de julho, divulgado hoje cedo nos EUA, reanimou o mercado brasileiro de ações, que vinha de dois pregões seguidos de baixa, ajudando a turbinar os negócios nessa véspera de vencimento de índice futuro. O principal índice da Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa), o Ibovespa, fechou em alta de 2,02%, aos 37.295 pontos. O índice oscilou entre a mínima de +0,01% e a máxima de +2,35%. O volume financeiro ficou em R$ 2,40 bilhões. A Bovespa seguiu os passos das Bolsas de Nova York, que também encerraram em forte alta. O índice Dow Jones recuou 1,19% e o Nasdaq, 2,22%. Na Europa, as bolsas de Paris e Frankfurt encerraram o pregão em alta de quase 1,5%. O PPI fez crescer a percepção de que talvez não seja necessário o Federal Reserve (Fed, banco central dos EUA) subir a taxa básica de juro em sua reunião de setembro, já que o esfriamento da atividade econômica está reduzindo as pressões inflacionárias, conforme havia previsto o presidente do Fed, Ben Bernanke. O índice cheio do PPI subiu apenas 0,1% e o núcleo caiu 0,3%. Um outro indício de que a economia nos EUA está se enfraquecendo é a desaceleração do índice de atividade industrial regional do Fed de Nova York, de 15,64 em julho para 10,34 em agosto, que também foi divulgado hoje.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.