Bovespa encerra pregão com perda de 1,74%

Após registrar perdas acima de 2% durante o dia, bolsa paulista desacelerou com notícias de que França e Alemanha devem anunciar um plano para a zona do euro

Claudia Violante, da Agência Estado,

20 de outubro de 2011 | 18h27

A notícia de que os presidentes da França e da Alemanha devem anunciar até a próxima quarta-feira um plano abrangente para solucionar a crise na zona do euro fez a Bovespa diminuir, no meio da tarde, as perdas, que ultrapassaram 2% no pior momento da sessão. O índice operou no vermelho o dia todo, reagindo a outra notícia da Europa, mesmo desmentida, de que a cúpula da União Europeia marcada para esse final de semana seria adiada.

O Ibovespa, dessa forma, conseguiu reter o nível de 54 mil pontos ao fechar em queda de 1,74%, aos 54.009,98 pontos. No pior momento da sessão, recuou 2,47%, aos 53.610 pontos. Na máxima, atingiu os 54.953 pontos (-0,02%). No mês, acumula ganho de 3,22% e, no ano, perda de 22,07%.

Em comunicado conjunto, Nicolas Sarkozy e Angela Merkel disseram que planejam um plano abrangente para solucionar a crise da dívida na zona do euro. Essa proposta deve ser aprovada em uma segunda reunião da cúpula da União Europeia. O plano inclui medidas para reforçar os bancos europeus e um fundo de resgate mais poderoso e será revisado pelos líderes europeus no encontro marcado para domingo.

O Dow Jones virou para cima e fechou em alta de 0,32%, aos 11.541,78 pontos. O S&P avançou 0,46%, aos 1.215,39 pontos, e o Nasdaq caiu 0,21%, aos 2.598,62 pontos. As bolsas europeias, que terminaram os negócios antes, caíram, ainda reagindo ao noticiário da manhã.

Na Nymex, o contrato do petróleo para novembro, que venceu hoje, recuou 0,94%, a US$ 85,30, enquanto o contrato para dezembro terminou em baixa de 0,25%, a US$ 86,07 o barril. Aqui, hoje Petrobras caiu mais que Vale. As ações ON da petrolífera recuaram 2,34% e as PN, 2,13%. Vale ON terminou com queda de 1,25% e PNA, de 1,27%.

Tudo o que sabemos sobre:
BovespaFrançaalemanha

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.