Bovespa ensaia recuperação seguindo melhora em NY

Após a realização de lucros da véspera, a Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) ensaia recuperação amparada na melhora dos índices de ações norte-americanos e europeus e no recuo do juro dos títulos do Tesouro dos Estados Unidos. A decisão do Banco Central Europeu e do Banco da Inglaterra de manterem inalteradas as taxas de juros também contribui para um clima mais tranqüilo. O Ibovespa, o principal índice da bolsa paulista, abriu em alta. Às 10h09, o ganho era de 0,93%, com pontuação de 36.715. Por conta da forte expectativa com o relatório de emprego que será divulgado amanhã nos EUA, o mais provável é que o mercado tenha um desempenho mais contido hoje. Ontem o levantamento da ADP Macroeconomic Advisers, prevendo a criação de 368 mil vagas assustou os investidores, que agora esperam a prova dos nove do payroll (vagas criadas de trabalho). Os economistas estimam a criação de 170 mil postos em junho. Os dados divulgados até agora nos EUA, auxílio-desemprego e pesquisa sobre demissões, não influenciaram negativamente os índices futuros de ações, que se mantêm em alta discreta. Por volta das 10 horas, o Nasdaq subia 0,27% e o S&P 500 avançava 0,18%. Mas como o mercado está vivendo de dados de curto prazo pode reagir ainda nesta quinta-feira ao índice de atividade do setor de serviços do Instituto para gestão de Oferta (ISM) e aos dados sobre estoques de petróleo e derivados na semana. Depois de ter superado a marca recorde US$ 75,19 o barril ontem devido ao aumento da tensão geopolítica, o preço do petróleo está sendo negociado em baixa moderada esta manhã. Também em torno das 10 horas, o barril valia US% 74,87%, queda de 0,43%. O crescimento acima do esperado da produção industrial brasileira em maio é uma boa notícia mas não chega a animar os investidores, dado que o cenário externo continua sendo o fio condutor dos negócios. Segundo o IBGE, a produção cresceu 1,6% em maio ante abril. Na comparação com maio do ano passado, a produção avançou 4,8%, dentro do previsto.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.