Bovespa fecha em alta de 0,25%, com Petrobras e Vale

A Bolsa de Valores de São Paulo terminou o dia com valorização, impulsionada pelas ações de suas empresas mais importantes, Petrobras e Vale do Rio Doce. A alta aconteceu no fim da tarde, a despeito do mau humor que abateu as bolsas em Nova York e no Brasil ao longo do dia. O Ibovespa, principal índice da Bolsa paulista, subiu 0,25% e fechou aos 45.644 pontos. A ação de maior peso no índice, Petrobras PN, avançou 1,18%, em reação à alta superior a 1% no preço do petróleo nos mercados internacionais e ao rumor de que a empresa pode estar próxima de encontrar uma gigante reserva de petróleo leve na Bacia de Campos. O segundo papel de maior peso, Vale do Rio Doce PNA, também registrou bons ganhos: a ação subiu 1,27%, acompanhando a alta do preço do cobre, que fechou com sua maior cotação do ano, e a valorização do níquel, que está perto de seu preço recorde. Ironicamente, o níquel subiu hoje reagindo a uma notícia sobre a Vale, além da redução nos estoques. Analistas afirmaram que o projeto de Goro da Vale, na Nova Caledônia, não começará a produzir antes de 2011. Em seu melhor momento do dia, o Ibovespa subiu 0,39%. Com uma má notícia que veio dos Estados Unidos, porém, o índice chegou a cair 1,25%. As vendas de novas moradias nos EUA caíram 3,9% em fevereiro, contra expectativa de alta de 6,7%. A surpresa negativa fez as Bolsas de Nova York inverteram o sinal e operarem no vermelho, o que incentivou os investidores a venderem ações brasileiras para embolsarem os lucros recentes, fazendo o Ibovespa cair. Mas, assim como o Ibovespa, o índice Nasdaq, da Bolsa eletrônica de Nova York, devolveu as perdas e encerrou o dia com leve ganho, de 0,27%. Já o Dow Jones, índice das ações de primeira linha dos EUA, terminou em baixa de 0,10%. O volume negociado na Bovespa totalizou R$ 2,69 bilhões, representando um dia pouco movimentado.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.