Bovespa fecha em alta de 0,64%, com nota da Fitch

O mercado de ações brasileiro registrou alta pelo quinto pregão consecutivo, embora hoje não tenha sido ajudado pelas Bolsas de Nova York, que oscilam perto da estabilidade. O Ibovespa, principal índice da Bolsa de Valores de São Paulo, fechou na máxima do dia, com ganho de 0,64%, para 45.286 pontos. A Bovespa operou em alta durante a maior parte do dia, mas ganhou sustentação no terreno positivo no fim da tarde, após a divulgação, pela agência de classificação de risco Fitch Ratings, de que elevou a perspectiva da nota de crédito do Brasil para "positiva". A nota, atualmente em "BB", não foi alterada, mas a mudança de perspectiva deixa o País um passo mais próximo do "grau de investimento". Antes disso, a Bolsa paulista era beneficiada pelo setor de siderurgia, com alta no preço dos metais. Usiminas PNA liderou o ranking de maiores altas do Ibovespa, com valorização de 5,26%. Arcelor, CSN e Gerdau também figuraram entre os cinco maiores ganhos. Além de o mercado trabalhar com expectativa de alta de preços siderúrgicos no mercado internacional, operadores comentam que o ágio pago pela indiana Tata Steel no leilão da anglo-holandesa Corus (também disputada pela CSN), no último dia 30, fez com que houvesse uma reavaliação de preços das siderúrgicas brasileiras. Na mínima do dia, o Ibovespa cedeu 0,33%. O volume negociado totalizou R$ 2,68 bilhões.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.