Bovespa fecha em alta de 1,41% com commodities

A Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) recuperou terreno nesta terça-feira e fechou aos 68.214,86 pontos, em alta de 1,41%, estimulada pelo avanço das matérias-primas (commodities), espelhando o bom desempenho das bolsas internacionais. O volume negociado somou R$ 6,910 bilhões.

NALU FERNANDES, Agencia Estado

21 de dezembro de 2010 | 18h54

O avanço de hoje (1,41%) foi o segundo maior registrado em dezembro, ficando atrás da elevação de 2,42% (aos 69.345,85 pontos) do dia 1º deste mês. Ao longo do dia, a Bolsa rompeu, ainda que por alguns instantes, a resistência dos 68.400 pontos. Na máxima, o índice Bovespa atingiu 68.461 pontos, em alta de 1,78%. Na mínima, o índice ficou em 67.261, com variação zero.

A Bolsa brasileira acompanhou o ânimo de Nova York e das bolsas europeias, que foram favorecidas pela declaração de apoio do vice-primeiro-ministro chinês, Wang Qishan, às medidas dos governos europeus para lidar com a crise do endividamento soberano. A interpretação feita pelo mercado é de que, desta forma, a China continuará disposta a comprar títulos públicos europeus.

As renovações de máximas do Ibovespa, comentaram operadores, também foram alimentadas por um relatório internacional elevando a recomendação para o mercado acionário brasileiro.

Beneficiada pela alta do petróleo, a Petrobras PN fechou em alta de 0,78%, a R$ 25,77, e a Petrobras ON subiu 0,42%, para R$ 28,45. Em Nova York, o petróleo para janeiro subiu 0,50%, fechando a US$ 89,82.

A Vale PNA teve elevação de 1,10%, a R$ 50,35, e a Vale ON avançou 1,22%, a R$ 57,19. Os metais básicos fecharam em alta na Bolsa de Metais de Londres (LME, na sigla em inglês), capitaneados pelo cobre, que teve suporte, batendo recordes ao longo do dia.

Os papéis de construtoras e de siderúrgicas ficaram entre as maiores altas do índice. Na outra ponta, a OGX figurou entre as maiores baixas do índice.

Tudo o que sabemos sobre:
BolsaBovespaaçõesPetrobrasVale

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.