Bovespa fecha em alta de 1,87%, mas cautela continua

A Bolsa de Valores de São Paulo voltou a registrar valorização hoje, recuperando-se das perdas de ontem. A melhora de humor começou na Ásia e se estendeu pela Europa e EUA, beneficiando o Brasil. O Ibovespa, principal índice da Bolsa paulista, subiu 1,87% e fechou aos 43.466 pontos. O índice avançou durante todo o dia e, na máxima, teve alta de 2,48%. O volume de negócios, contudo, deixou a desejar, totalizando R$ 2,56 bilhões, após sete dias úteis acima de R$ 3 bilhões. Segundo analista, esse volume financeiro mais fraco hoje sinaliza que os investidores ainda estão ressabiados com a turbulência recente e mantêm uma dose de cautela, na expectativa de que o relatório de emprego norte-americano que será divulgado amanhã traga sinais mais consistentes sobre a saúde da economia dos Estados Unidos. As bolsas norte-americanas, que ontem no final do pregão puxaram a piora do Ibovespa, também recuperaram hoje suas perdas da véspera: o Dow Jones, principal índice da Bolsa de Nova York, subiu 0,56% e o Nasdaq, da Bolsa eletrônica, avançou 0,55%. O impulso veio dos mercados asiáticos, onde Xangai, Tóquio e Hong Kong tiveram altas superiores a 1%. Adicionalmente, o viés positivo foi reforçado pela queda maior do que a prevista da quantidade de pedidos de auxílio-desemprego nos Estados Unidos. O número de solicitações recuou 10 mil na última semana, ante estimativa de queda de 8 mil. No Brasil, as duas ações mais importantes da Bovespa registraram bons ganhos: Petrobras PN avançou 2,67%, para R$ 42,35, apesar da queda do petróleo nos mercados internacionais. Vale do Rio Doce PNA teve elevação de 0,85%, para R$ 61,40, após a minerador ter anunciado ontem à noite lucro recorde de R$ 13,431 bilhões em 2006.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.