Márcio Fernandes/Estadão
Márcio Fernandes/Estadão

Bovespa fecha em alta na volta do carnaval

Em dia de poucos negócios e vencimento de opções, Bolsa paulista subiu 1,27%

Clarissa Mangueira, O Estado de S. Paulo

18 Fevereiro 2015 | 17h55

A Bovespa fechou em alta nesta quarta-feira, na volta do feriado prolongado de carnaval. A sessão foi marcada pelo vencimento de opções e do índice futuro da Bolsa, bem como pela baixa liquidez, uma vez que o mercado operou apenas no período da tarde. No fim dos negócios, o Ibovespa subiu 1,27%, aos 51.280,36 pontos. Na máxima do dia, a Bolsa registrou 51.868 pontos (+2,43%) e na mínima, 50.639 pontos (+0,01%). 

Durante o leilão de fechamento na Bolsa brasileira, o Federal Reserve divulgou a ata da sua última reunião de política monetária. Segundo o documento, muitos membros da instituição disseram que um aumento prematuro dos juros pode afetar a economia. Além disso, os participantes afirmaram que a deterioração no exterior trazia riscos para os EUA.

Os índices de Wall Street reduziram as perdas após a divulgação da ata do Fed. Perto das 18 horas, o índice Dow Jones caía 0,18%, o S&P 500 cedia 0,15% e o Nasdaq recuava 0,10%. Mais cedo, o sentimento em Wall Street foi afetado negativamente por indicadores econômicos divulgados nos EUA. O índice de preços ao produtor (PPI, na sigla em inglês) do país caiu 0,8% em janeiro ante dezembro, quando a previsão era de uma queda menor, de 0,4%. Além disso, as construções de moradias iniciadas recuaram 2,0% na mesma comparação mensal, em ritmo mais forte do que a queda projetada de 1,7%, enquanto a produção industrial subiu apenas 0,2% no mês passado ante dezembro, metade do aumento previsto de 0,4%. 

No Brasil, a Bovespa abriu em alta, contrariando o recuo das bolsas em Nova York. No entanto, a falta de notícias domésticas para dar condução aos negócios e o sinal positivo das bolsas europeias devido a expectativas em torno das negociações da dívida grega forneceram suporte para os ganhos da Bolsa.


A Oi liderou a alta da Bovespa, subindo 7,72%, ajudada por novos rumores em torno da expectativa de consolidação das operadoras de telefonia no País.

Os papéis PNA da Usiminas avançaram 4,17%, apesar de ter reportado um prejuízo líquido de R$ 117 milhões no quarto trimestre do ano passado, revertendo lucro registrado um ano antes, diante de fraca demanda de aço no mercado interno e sem contar com a ajuda da unidade de mineração, diante da derrocada dos preços do insumo no mercado internacional. Em relação ao trimestre imediatamente anterior, o prejuízo aumentou quase cinco vezes. Em 2014, o lucro foi de R$ 208 milhões, ante os R$ 17 milhões anotados um ano antes. 

Ainda no setor de mineração e siderurgia, os papéis da Vale subiram +1,02% (ON) e +1,09% (PNA), ajudados pelos vencimento de opções sobre o Ibovespa e dos contratos futuros de Ibovespa, apesar da queda dos preços internacionais do minério de ferro. 

Os papéis da Petrobrás terminaram também a sessão no azul, com a ON +1,74% e a PN +1,30%. O vice-presidente e analista sênior de crédito soberano da agência de classificação de risco Moody's, Mauro Leos, disse que fará uma nova avaliação do rating de crédito da companhia até o fim do mês. 

Mais conteúdo sobre:
bovespa

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.