Bovespa fecha em baixa de 0,69% com recuo do petróleo

A Bolsa de Valores de São Paulo foi fortemente pressionada hoje pela queda do preço do petróleo, mas a possibilidade de mais um recorde de fechamento na Bolsa de Nova York amenizou um pouco as perdas. O Ibovespa, principal índice, cedeu 0,69% e fechou aos 42.624 pontos. As ações preferenciais da Petrobras, papéis de maior peso de todo o índice, registraram perda de 1,54%, para R$ 44,20, na esteira da queda do preço do petróleo. Em Nova York, a commodity sofreu desvalorização de 3,36%, para US$ 51,21 o barril, após o ministro da Arábia Saudita, Ali Naimi, dizer que o mercado de petróleo está "mais saudável do que em outubro" e, portanto, não há necessidade de reduzir a produção. Nos Estados Unidos, as bolsas reabriram hoje, após o feriado de ontem (Dia de Martin Luther King Jr.), e o índice mais tradicional, o Dow Jones, já caminha para novo recorde de fechamento. Por volta das 18 horas (de Brasília), o índice avançava 0,12%, para 12.570 pontos. Caso se confirme - as Bolsas de Nova York operam até as 19 horas (de Brasília) -, este será o terceiro recorde consecutivo do Dow Jones. Na mínima do dia, influenciado pela queda do petróleo, o Ibovespa recuou 1,17%. Mesmo na máxima, não chegou a atingir o terreno positivo, ficando em -0,01%. O volume financeiro totalizou R$ 2,65 bilhões.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.