Bovespa fecha em leve alta de 0,02%, aos 68.485 pontos

No último pregão antes do Natal, ações de Petrobrás voltaram a sustentar a Bolsa e o setor de frigoríficos aprofundou um movimento de correção com ganhos

Nalu Fernandes, da Agência Estado,

23 de dezembro de 2010 | 19h03

Em um pregão morno, de volume considerado minguado, o índice Bovespa conseguiu se segurar próximo da estabilidade, fechando com leve alta de 0,02%, aos 68.485,96 pontos. O volume somou R$ 3,520 bilhões. No último pregão antes do Natal, as ações da Petrobrás voltaram a sustentar o Ibovespa e os frigoríficos aprofundaram um movimento de correção com ganhos.

Apesar do desempenho das bolsas internacionais - com índices na Europa e Ásia fechando sem direção única, e nos Estados Unidos, com o Nasdaq e o S&P-500 oscilando em terreno negativo e o Dow Jones em leve alta, o Ibovespa conseguiu "se segurar bem, com descolamento positivo", nas palavras de um operador. Na máxima, o índice subiu 0,13%, aos 68.562 pontos. Na mínima, o Ibovespa caiu 0,32%, aos 68.250 pontos.

Petrobrás buscou espaço para reagir, uma vez que os preços dos papéis da estatal ficaram bastante defasados quando comparados à evolução dos preços do petróleo ao longo do mês, disse um especialista. O petróleo para fevereiro avançou 1,14%, fechando a US$ 91,51. Amparadas pelos preços da commodity, Petrobras PN subiu 0,12%, cotada a R$ 25,75, e Petrobras ON avançou 0,18%, valendo R$ 28,54.

Vale praticamente não recebeu estímulo do mercado externo, com metais fechando em baixa em Londres e Nova York. Vale PNA recuou 0,40%, a R$ 50,05, e Vale ON caiu 0,32%, a R$ 56,85.

As ações de empresas aéreas tiveram um rali de alívio na maior parte da sessão, com a decisão dos sindicatos de aeronautas e aeroviários de suspender a greve no período de festas de final de ano. Gol PN teve alta de 2,41%, cotada a R$ 25,10, figurando entre os maiores ganhos do índice, e TAM PN exibiu leve queda de 0,05%, a R$ 40,46.

Papéis de frigoríficos passaram a maior parte do dia entre as maiores altas do índice, aprofundando um movimento de correção com ganhos ante o desempenho registrado na última semana, ponderou uma estrategista. JBS ON avançou 2,85%, cotada a R$ 7,57.

Na outra ponta, Fibria, que ontem foi favorecida pelo acordo com a Suzano, devolveu parte dos ganhos na sessão de hoje. Fibria ON à vista recuou 0,95%, valendo R$ 27,09.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.