Bovespa fecha perdendo 2,42%, com tensão no Líbano

A tensão geopolítica internacional se agravou hoje com os bombardeios do Líbano por Israel e levou os mercados acionários mundiais a operarem em queda, entre eles a Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa). A Bolsa trabalhou em território negativo durante todo o dia e encerrou em baixa de 2,42%, aos 35.354 pontos. O volume financeiro atingiu R$ 1,42 bilhão. Na madrugada de hoje (Brasília), Israel decidiu atacar o aeroporto internacional de Beirute, capital do Líbano, depois que o grupo islâmico Hezbollah seqüestrou dois soldados israelenses. Também nesta quinta-feira, helicópteros militares dispararam mísseis contra o aeroporto de Beirute, no segundo ataque a essa instalação ocorrido hoje. Oficiais libaneses disseram que mísseis e disparos de metralhadora atingiram os tanques de combustível, provocando um grande incêndio. Esse é o único aeroporto internacional do Líbano. Na ofensiva iniciada ontem, Israel também destruiu pontes e rodovias e atacou duas bases do Exército libanês, além de impor um bloqueio aos acessos aéreos e marítimos ao país. A situação no Oriente Médio se soma à crise envolvendo o Irã e também aos atentados na Índia, na terça-feira. Todas estas turbulências tiveram impacto direto sobre o preço do petróleo no mercado internacional, que voltou a fechar em nível recorde (acima de US$ 76,00 em NY). Petróleo em alta, para os investidores, é alerta também por ter impacto sobre a inflação norte-americana, o que pode levar o Federal Reserve (Fed, o banco central dos Estados Unidos) a promover novo aumento em sua taxa de juros, hoje em 5,25% ao ano.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.