Bovespa inverte sinal da abertura e registra queda

Cemig, CCR e Braskem são destaques de alta, enquanto o setor de construção puxa as baixas da Bolsa

Beth Moreira, da Agência Estado,

16 de dezembro de 2010 | 12h56

A Bovespa abriu o pregão em alta, em movimento de recuperação ante as perdas registradas nos últimos dois dias, com a retomada, principalmente, das empresas de commodities, mas perdeu fôlego antes do final da primeira hora da sessão. Cemig, CCR e Braskem são destaques de valorização, enquanto o setor de construção puxa as quedas. Às 13h05, o Ibovespa cedia 0,45%, aos 67.551 pontos.

Cemig, Braskem e CCR se revezam na liderança das maiores altas do Ibovespa, reagindo a notícias corporativas e análises positivas de analistas. No caso da Cemig, que avança 2,36%, a alta reflete a entrada de investidores de olho no pagamento de dividendos extraordinários, aprovados hoje pelo conselho de administração da empresa no valor de R$ 1,319 por ação, o que totaliza R$ 900 milhões.

Braskem, por sua vez, opera com ganhos de 3,59% com a avaliação positiva de analistas que acompanham a empresa. O Bank of America Merrill Lynch (BofA Merrill Lynch) elevou a recomendação da Braskem de abaixo da média do mercado ("underperform") para compra ("buy") ontem, e hoje a Itaú Corretora elevou o preço-alvo das ações preferenciais da companhia de R$ 20,2 para R$ 24,3. A classificação da Itaú para a Braskem é de "outperform".

Já a CCR sobe 3,19%, após ter caído mais de 1% ontem, após a portuguesa Brisa ter vendido o último lote de ações que detinha na empresa em uma operação que movimentou totalizando R$ 1,312 bilhão. "Acredito que com a conclusão da saída da Brisa as ações da CCR ficam mais leves e devem retomar ao seu patamar normal", avalia o economista Fausto Gouveia, da Legan Asset.

Também figuram entre as altas Ultrapar PN (+2,32%), JBS (+1,63%), Eletrobras ON (+1,36%), CPFL PNB (+1,33%) e Eletropaulo PNB (+1,29%).

Construção e bancos

As construtoras, que abriram o pregão em alta, após a Comissão de Valores Mobiliários (CVM) ter aprovado ontem, documento que permite que construtoras e incorporadoras imobiliárias brasileiras possam manter a regra contábil que usam atualmente para reconhecer a receita de venda de imóveis residenciais ainda na planta, inverteram o sinal e agora dominam a lista de maiores baixas do Ibovespa.

MRV encabeça as perdas com queda de 4,24%, seguida por PDG (-3,18%), Cyrela (-2,08%), Gafisa (-1,16%) e Brookfield (-1,21%). Um operador considera que muitos investidores estão reavaliando portfólios e deixando as empresas do setor de fora devido à expectativa de valorização menor para esses papéis em 2011. "Deve continuar subindo, mas com upside menor", avalia.

Também figuram na lista de maiores baixas do Ibovespa Duratex (-2,36%) e PortX (-1,89%).

Os bancos operam com sinais divergentes após terem iniciado o dia com valorização. Há pouco, Bradesco subia 0,08%, Itaú Unibanco cedia 0,36%, Banco do Brasil avançava 0,48% e as units do Santander recuavam 0,41%. Ontem à noite o governo anunciou uma série de medidas para fortalecer o financiamento de longo prazo no País.

Commodities

Vale PNA subiu durante a primeira hora da sessão, mas seguia praticamente estável há instantes com alta de 0,02%, enquanto a ON avança 0,39%. Hoje os metais básicos não têm direção única, sustentados por um euro mais estável e por uma leve alta nas bolsas, mas ainda sem um fator que empurre os preços novamente para as máximas atingidas no começo da semana.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.