Bovespa mantém alta com recuperação de matérias-primas

Mercado ficou aliviado com confirmação chinesa de que manterá parte de suas reservas internacionais em euro

Beth Moreira, da Agência Estado,

27 de maio de 2010 | 12h21

A Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) sobe nesta quinta-feira, acompanhando a recuperação dos mercados internacionais. A melhora do humor entre os investidores está ancorada na confirmação de que a China manterá parte de suas reservas soberanas aplicadas na Europa. A notícia contribuiu para a valorização de commodities, e por consequência com a alta das ações de empresas ligadas ao insumo e que têm grande peso na Bolsa paulista.

 

Às 15h50, o Ibovespa registrava valorização de 2,57% aos 61.742 pontos. Na máxima alcançou 61.822 pontos. No mesmo horário, o Dow Jones subia 2,31% e o S&P 500 registrava alta de 2,70%. As ações da Usiminas ON registram ganhos de 6,51% e lideram as altas do Ibovespa. Gerdau PN, com valorização de 4,78%, e CSN, com alta de 4,88%, também aparecem na lista.

 

Para o economista da Legan Asset, Fausto Gouveia, além da melhora das commodities, a alta das ações de siderurgia estão ligadas ao projeto de construção de sondas de perfuração pela Petrobras. "CSN e Usiminas devem se beneficiar com a produção dessas sondas, que serão produzidas no Brasil", afirma.

 

Vale e Petrobrás

Vale PNA sobe 5,28% e ON avança 5,53%. A mineradora também aparece entre as maiores altas do Ibovespa. Além da melhora na cotação dos metais na London Metal Exchange (LME), os papéis reagem à divulgação de relatórios positivos sobre a companhia. O economista da Legan Asset destaca ainda que grandes bancos estão divulgando relatórios com recomendação para o papel da empresa, afirmando que as ações da mineradora estão baratas.

 

Em relatório divulgado ontem, o HSBC elevou sua recomendação para o papel de "neutra" para "overweight" (acima da média de mercado). "Após a queda nos mercados de ações, revisamos a avaliação da Vale, e estimamos que as ações da empresa estejam sendo negociadas a múltiplos VF/Ebitda de 6 vezes no longo prazo, abaixo dos níveis de seu piso", afirma o documento assinado pelos analistas Jordi Dominguez e Alexandre Gartner.

 

Petrobrás também está em alta, com as PN avançando 2,51% e as ON subindo 2,67%, em dia de nova elevação no preço do petróleo.

 

BM&FBovespa

As ações da BM&FBovespa caem 3,36% e lideram as maiores quedas do Ibovespa apesar da obtenção do rating grau de investimento pela agência Moody´s. A agência de classificação de risco atribuiu rating de emissor em moeda local A1 em escala global e Aaa.br em escala nacional brasileira para a BM&FBovespa, com perspectiva estável.

 

O comportamento das ações na contramão da notícia positiva, afirmam operadores, pode ser explicado pelo fato de o papel devolver hoje os ganhos obtidos ontem, quando registrou forte alta de 11,11%. Segundo operadores, somente o JP Morgan comprou 23 milhões do papel na véspera da notícia do grau de investimento, o que acabou tendo forte impacto na cotação.

Também houve um ajuste à nova composição do MSCI (índice de ações do Morgan Stanley que é usado como referência por vários investidores), que vigora a partir de hoje.

(Texto atualizado às 15h50)

Tudo o que sabemos sobre:
açõesbolsaValePetrobrasBM&FBovespa

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.