Bovespa mostra sinais de cansaço, abre em queda mas vira logo após abertura

Bolsa deve manter indefinição nesta reta final de mês, mas tentando interromper sequência de quatro meses de desvalorização

Olivia Bulla, da Agência Estado,

30 de julho de 2012 | 10h19

A Bovespa abre o pregão desta segunda-feira com o desafio de interromper uma sequência de quatro meses seguidos de desvalorização. Restando apenas dois dias para o fim de julho, os negócios locais tentam se firmar no positivo, mas já exibem sinais de cansaço nesta manhã, após a arrancada da última sexta-feira (+4,72%). Aliás, a lateralidade deve marcar a Bolsa nesta reta final de mês, com os investidores contando as horas para o fim das reuniões de política monetária dos bancos centrais dos Estados Unidos e da zona do euro. Por volta das 10h10, o Ibovespa caía 0,21%, aos 56.434,89 pontos.

Para o economista e sócio da Órama Investimentos, Álvaro Bandeira, essa semana pode ser classificada como "ou vai ou racha" quanto a uma definição (ou não) para a crise europeia. Para ele, as importantes reuniões de líderes econômicos e autoridades monetárias que acontecem entre hoje e quinta-feira criam um "ambiente ideal para que as coisas aconteçam".

Bandeira se refere ao encontro do ministro de Finanças da Alemanha, Wolfgang Schäuble, e do secretário do Tesouro dos EUA, Timothy Geithner, nesta segunda-feira, e, principalmente às reuniões do Federal Reserve e do Banco Central Europeu (BCE), que terminam na quarta-feira e quinta-feira, respectivamente, quando se espera que sejam anunciadas medidas adicionais de afrouxamento monetário.

"O Fed está pronto para fazer algo, mas não adianta fazer nada sozinho", avaliou o economista. Dessa forma, ele acredita que as decisões dos BCs norte-americano e europeu devem ser coordenadas. "Ações pontuais não resolvem muito e têm efeito efêmero."

Caso algo concreto seja mesmo anunciado nesta semana, a Bolsa pode, enfim, sair da atual zona de indefinição e retornar à trajetória de alta, já acima dos 57 mil pontos. "Se passar desse nível, o Ibovespa fica livre para buscar os 60 mil pontos no curto prazo", avaliou Bandeira, da Órama. Do contrário, os mercados financeiros globais devem passar por um intenso ajuste negativo.

Até lá, portanto, os negócios com risco devem manter a volatilidade elevada, diante da ausência de mudanças expressivas no cenário global e de indicadores econômicos ainda enfraquecidos. Há pouco, nos EUA foi anunciado que o índice de atividade industrial do Meio-Oeste subiu 1,1% em junho ante maio.

Logo mais, às 11h30, sai o índice de atividade industrial na região de Dallas. No horário acima, o futuro do S&P 500 ampliava a queda para -0,25%, após o dado, diante de certa cautela também com o Fed.

Por aqui, a temporada de balanços entra em sua terceira semana e tem como ponto alto a sexta-feira, quando sai o resultado financeiro da Petrobras. A expectativa é de que a gigante do petróleo traga números decepcionantes, assim como aconteceu com Vale na semana passada, até porque o efeito dos recentes reajustes promovidos nos preços dos combustíveis deve se refletir apenas nos números deste trimestre. Já nesta segunda-feira os destaques ficam para os balanços de Usiminas e TIM, após o fechamento do pregão.

Tudo o que sabemos sobre:
bolsaIbovespa

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.