Bovespa opera perto da estabilidade pela manhã

Informação de reforço ao fundo de resgate europeu abre espaço para ganhos ao longo do dia

Fabrício de Castro, da Agência Estado,

19 de outubro de 2011 | 11h15

A Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) abriu o dia perto da estabilidade, mas o cenário no exterior abre espaço para ganhos ao longo do dia. Notícias de que a Linha de Estabilidade Financeira Europeia (EFSF, na sigla em inglês) pode ser ampliada para 1 trilhão ou 2 trilhões de euros servem de incentivo para as bolsas europeias, que registram ganhos nesta manhã. Nos Estados Unidos, a inflação ao consumidor veio dentro do esperado. Às 11h12 (horário de Brasília), o índice Bovespa (Ibovespa) caía 0,18%, aos 54.935 pontos.

"Novamente, os mercados estão em compasso de espera em relação à Europa", resume Pedro Galdi, estrategista-chefe da SLW Corretora. Ontem, no fim da tarde, o jornal britânico The Guardian afirmou que França e Alemanha concordaram em ampliar a EFSF para 2 trilhões de euros, o que gerou uma forte alta das ações em Nova York. Poucas horas depois, uma fonte da Europa afirmou que a reportagem estava "totalmente errada" e disse apenas que "a ampliação da EFSF está sendo debatida".

Hoje, o jornal alemão Financial Times Deutschland, citando membros não identificados do parlamento na coalizão de governo, disse que o ministro de Finanças da Alemanha, Wolfgang Schaeuble, pôs em discussão a ideia de alavancar a Linha de Estabilidade Financeira Europeia (EFSF, na sigla em inglês) para no máximo 1 trilhão de euros. Em contrapartida, a ministra de Finanças da Áustria, Maria Fekter, afirmou que aumentar a capacidade de empréstimo da linha para além de 440 bilhões de euros parece improvável.

Estas diferentes visões devem dar o tom da reunião de líderes europeus no próximo fim de semana. Na Europa, os mercados se apoiam na esperança de que, finalmente, sejam anunciadas medidas concretas para resgatar bancos e países em dificuldades na zona do euro. "O mercado continua se apegando às notícias da Europa e a Bovespa pode ir para o positivo ao longo do dia", afirma Galdi.

Nos Estados Unidos, o índice de preços ao consumidor (CPI) registrou alta de 0,3% em setembro ante agosto, dentro da previsão dos economistas. O núcleo do índice avançou 0,1% no período, levemente abaixo da projeção de alta de 0,2%. O resultado reduziu a baixa dos futuros em Nova York, o que também se refletiu no Brasil.

No fim do dia, o Comitê de Política Monetária (Copom) anuncia sua decisão sobre a Selic, a taxa básica de juros da economia. Embora o mercado espere queda de 0,50 ponto porcentual, de 12,00% para 11,50%, uma redução mais intensa pode favorecer alguns setores na Bolsa. "Se houver baixa maior da Selic, haverá um impacto positivo nas ações de três setores: varejo, bancos e construção civil", afirmou um operador de renda variável ouvido nesta manhã pela Agência Estado.

Tudo o que sabemos sobre:
BovespaaberturaestabilidadeEuropa

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.