Bovespa perde 1,62%, prejudicada por Petrobras e Vale

Depois do fechamento recorde de ontem, a Bolsa de Valores de São Paulo passa hoje por um movimento de realização de lucros. As vendas de ações são puxadas pelos papéis da Petrobras e Vale do Rio Doce, as mais líquidas do mercado. Investidores aproveitam as quedas dos preços do petróleo e dos metais nos mercados internacionais para se desfazer das ações dessas duas empresas. Por volta das 15h40, o Ibovespa, principal índice da Bolsa paulista, atingia a mínima do dia, em queda de 1,62%, com 44.649 pontos. A ação preferencial classe A (PNA) da Vale opera em baixa de 3,07% e o papel preferencial (PN) da Petrobras cai 2,28%. Com giro financeiro de R$ 277 milhões, as ações preferenciais da Petrobras são as mais negociadas na Bolsa, seguidas por Vale PNA, com volume de R$ 212 milhões. O papel ordinário (ON) da Petrobras tem o terceiro giro do dia até o momento, com R$ 124 milhões. Petrobras ON registra queda de 3,32%. Os preços do petróleo chegaram a cair 3% no início da tarde de hoje, com o barril sendo cotado a US$ 59,20 para entrega em Nova York em fevereiro. A ação preferencial classe B (PNB) da Eletrobrás também cai hoje (-1,91%), reagindo à troca do presidente da empresa confirmada esta manhã. A Bolsa paulista registra movimento financeiro de R$ 2,05 bilhões e projeta R$ 3,41 bilhões para o encerramento do pregão, às 18 horas. Em Nova York, o mercado segue firme em alta, com o índice Dow Jones tendo batido recorde intraday (que representa a máxima pontuação da história do índice durante seus pregões, e não no encerramento dos negócios). O Nasdaq sobe 1,29%, o S&P 500 avança 0,54% e o Dow Jones registra alta de 0,74%.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.