Bovespa perde 3,96% e dólar sobe a R$ 2,104

O câmbio e o mercado de ações do Brasil apresentam esta tarde leve melhora em relação ao péssimo desempenho verificado mais cedo. Hoje, o mercado brasileiro é influenciado principalmente pelo noticiário da China, onde o índice da bolsa chinesa encerrou com perdas de quase 9%. Foi a maior perda em 10 anos e a quarta desde que o índice foi criado em 1990. Além disso, o indicador de encomendas de bens duráveis nos Estados Unidos cedeu em janeiro mais do que o previsto (queda de 7,8%, contra estimativa de 3,2% de baixa). Na Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa), o Ibovespa chegou a cair 4,71%, aos 44.032 pontos. Às 13h20, o índice recuava 3,96%, aos 44.378 pontos. No mercado de câmbio, o dólar comercial subia 0,96%, a R$ 2,104, após atingir a cotação máxima no dia de R$ 2,111 (alta de 1,30%). No pregão viva-voz da Bolsa de Mercadorias & Futuros (BM&F), o dólar à vista chegou a registrar ganho de 1,34% (também à cotação de R$ 2,111), mas reduzia o ritmo de valorização para 1,01%, também a R$ 2,104. Outros mercados da América Latina também sofrem o impacto das perdas da Bolsa da China. Por volta das 12h50 (de Brasília), o índice Merval, da Bolsa de Buenos Aires, caía 4,48%, o índice referencial da Bolsa da Colômbia perdia 3,7% e o índice geral da Bolsa do Peru recuava 2,6%. Com informações da agência Dow Jones.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.