Bovespa pode manter recuperação se petróleo ajudar

A Bolsa de Valores de São Paulo pode dar continuidade hoje à recuperação de preços da véspera, dependendo do comportamento do petróleo e das commodities metálicas. Às 10h06, logo após o início do pregão, o índice Ibovespa à vista subia 0,54% a 36.336 pontos, na máxima. O destaque do dia é a divulgação dos estoques semanais de petróleo e derivados nos EUA, que deve influenciar o preço do óleo. O barril fechou ontem cotado a US$ 63,76, menor nível desde 27 de março, pressionado por vendas de fundos depois das previsões de menor demanda global feitas tanto pelo Departamento de Energia dos EUA como pela Agência Internacional de Energia. Esta manhã, o petróleo ensaia leve alta, mas ainda se mantém abaixo de US$ 64 o barril. Analistas dizem que o mercado acionário brasileiro deve continuar vulnerável ao comportamento dos preços das empresas relacionadas ao setor de commodities, como Petrobras, Vale do Rio Doce e siderúrgicas, que ontem esboçaram reação tímida no final do pregão. Depois de um dia volátil, o índice Ibovespa acabou encerrando o pregão em alta de 1,05%, na pontuação máxima do dia (36.146 pontos), com giro financeiro de R$ 2,5 bilhões. O desempenho das blue chips Petrobras e Vale vai depender do ritmo das commodities metálicas. Os metais de base (cobre, níquel, paládio e outros) estavam em baixa, mas o ouro e a prata seguiam em baixa no mercado internacional hoje. Essa queda recente nos preços do petróleo e dos metais, segundo uma fonte ouvida pela Agência Estado, é uma boa notícia para os EUA, pois diminui as pressões inflacionárias, aumentando a possibilidade de o corte de juro no início de 2007. Mas para os países emergentes, que dependem da venda de commodities, é uma má notícia. Isso, segundo essa mesma fonte, ajuda a explicar por que a Bovespa caiu mais nos últimos dias do que as Bolsas em Wall Street. A expectativa é positiva em relação aos papéis de bancos e construtoras, que ontem subiram por conta da expectativa com o pacote habitacional, anunciado faltando cerca de meia hora para o encerramento do pregão. As medidas de estímulo aos financiamentos imobiliários e à produção são mais uma notícia positiva de ampliação ao crédito. Itaú PN subiu 4,38% e Bradesco +4,22%. As construtoras também tiveram altas expressivas. Company ON (+4,20%), Rossi ON (+2,84%), Cyrela ON (+0,82%) e Gafisa ON (+0,73%).

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.