Bovespa realiza lucros na esteira de NY e cede 0,35%

A Bolsa de Valores de São Paulo abandonou os ganhos da abertura e operava em queda de 0,35% às 12h12, depois de ter batido a mínima de -0,50%, reagindo à virada das bolsas norte-americanas. "A Bovespa subiu muito nos últimos dias e está realizando lucros. Mas nada que prejudique o cenário de fundo, que é bastante positivo", afirma um analista, lembrando que as bolsas norte-americanas vinham operando em níveis recordes, o que favorece uma correção nos preços. Às 12h14, o Nasdaq recuava 0,12% e o Dow Jones cedia 0,18%. A virada das Bolsas de Nova York coincidiu com a divulgação do crescimento inesperado de 5,3% das vendas de imóveis residenciais novos em setembro, ante previsão dos analistas de que se manteriam estáveis em relação a agosto. O aumento nas vendas foi alavancado pela maior queda dos preços médios de imóveis em 37 anos. Mais cedo, saíram dois dados que também mostram que a economia nos EUA continua registrando crescimento forte. As encomendas de bens duráveis aumentaram 7,8% em setembro, acima da alta de 2% previstas. Ao mesmo tempo, o número de pedidos de auxílio-desemprego subiu 8 mil, abaixo da previsão de alta de 9 mil. A realização de lucros na Bovespa também coincide com a revisão feita pelo UBS em sua carteira modelo para ações da América Latina. O banco rebaixou o Brasil de "acima da média de mercado" para "neutro" e deixou o México como único país com recomendação "acima da média" na região. Segundo o UBS, as ações brasileiras se aproximam do valor justo depois de uma alta significativa nas últimas semanas. O banco considera que as ações mexicanas ainda apresentam potencial de alta. Sobre o Brasil, o UBS afirma que a Bovespa "subiu mais de 15% no último mês e acreditamos que se aproxima de seu valor justo".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.