Bovespa recua 0,49% com queda de papéis do Grupo X

Ganhos de Petrobrás, Vale, bancos e siderúrgicas foram insuficientes para assegurar, por si só, um pregão de elevação

Claudia Violante, da Agência Estado,

17 de junho de 2013 | 18h00

Depois de um início vigoroso, marcado pela alta das bolsas internacionais e pelo exercício de opções sobre ações, a BM&FBovespa perdeu fôlego nesta segunda-feira e oscilou entre altas e baixas no período da tarde. Os ganhos de papéis como Petrobrás, Vale, bancos e siderúrgicas foram insuficientes para assegurar, por si só, um pregão de elevação. Em outra frente, OGX e outras empresas do Grupo EBX operaram com quedas de dois dígitos e penalizaram o índice à vista.

O Índice Bovespa (Ibovespa), assim, terminou o dia com desvalorização de 0,49%, aos 49.088,65 pontos. Na mínima, registrou 49.074 pontos (-0,52%) e, na máxima, 50.123 pontos (+1,60%). No mês, acumula perda de 8,26% e, no ano, de 19,46%. O giro financeiro totalizou R$ 9,424 bilhões, dos quais R$ 3,09 bilhões do vencimento. Os dados são preliminares.

A inversão da BM&FBovespa para o vermelho no meio da tarde reuniu uma série de fatores, entre eles a correção após o exercício, o ritmo mais fraco das bolsas internacionais e também o aumento da queda dos papéis do Grupo X, em especial da OGX, um dos que possuem maior expressão na composição do Ibovespa.

Nos Estados Unidos, o Dow Jones fechou em alta de 0,73%, aos 15.179,85 pontos, o S&P avançou 0,76%, aos 1.639,04 pontos, e o Nasdaq teve valorização de 0,83%, aos 3.452,13 pontos. A alta das bolsas lá diminuiu após o G-8 declarar, entre outras coisas, que as perspectivas econômicas globais continuam fracas. Favoreceu o sinal positivo nesta segunda-feira o indicador da Associação Nacional das Construtoras de Casas (Nahb, na sigla em inglês). De acordo com a Nahb, o índice de confiança das construtoras dos EUA subiu para 52 em junho, de 44 pontos em maio, no maior avanço do indicador desde o verão local de 2002.

Aqui, as ações ordinárias de Vale e Petrobrás foram agraciadas com compras firmes do investidor estrangeiro e operaram o dia todo com ganhos consistentes. Fecharam, respectivamente, com alta de 1,06% e 1,09%. Vale PNA, por sua vez, subiu 0,42% e Petrobrás PN, 0,17%. As empresas do Grupo X, no entanto, foram novamente destaque de baixa. O papel da OGX chegou e entrar em leilão mais cedo, ao recuar 10% sobre a cotação de abertura. Acabou fechando com baixa mais pronunciada, de 15,46%, a R$ 0,82, a maior do Ibovespa.

Tudo o que sabemos sobre:
BM&FBovespafechamento

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.