Bovespa recua 0,75% e acumula queda de 10% no ano

No mês, o Ibovespa acumula perda de 5,69%; Petrobrás e siderúrgicas foram os destaques de baixa nesta quinta

Claudia Violante, da Agência Estado ,

19 de maio de 2011 | 17h29

A Bolsa de Valores de São Paulo abriu em alta e chegou a superar 1% de ganhos na máxima da sessão desta quinta-feira, 19, mas o ritmo foi enfraquecendo até que, no meio da tarde, o índice Bovespa virou para baixo e renovou as mínimas. Fechou melhor do que no pior momento, mas no menor nível de 2011. Petrobrás e siderúrgicas são os destaques de baixa.

O Ibovespa terminou em queda de 0,75%, aos 62.367,36 pontos, menor nível desde 16 de julho de 2010 (62.339,27 pontos). Na mínima, registrou 62.225 pontos (-0,98%) e, na máxima, os 63.607 pontos (+1,22%). No mês, acumula perda de 5,69% e, no ano, de 10,01%. O giro financeiro totalizou R$ 5,308 bilhões. Os dados são preliminares.

Segundo um profissional, os investidores têm evitado se posicionar no mercado doméstico e fazem então operações curtas e casadas, de troca de papéis, comprando um e vendendo outro.

Petrobrás foi uma das responsáveis por empurrar o índice para baixo, num movimento de realização de lucros pós-balanço e também seguindo a queda do petróleo no exterior. Na Bolsa Mercantil de Nova York (Nymex), o contrato futuro de petróleo com vencimento em junho caiu 1,66%, a US$ 98,44 o barril. Na Bovespa, Petrobrás ON caiu 1,81% e Petrobrás PN cedeu 1,91%. Ainda nesse setor, OGX ON recuou 1,81%.

As ações da mineradora Vale foram na direção contrária, em alta firme, de 0,89% na ON e 1,52% na PNA. Amanhã, o presidente da empresa, Roger Agnelli, passa o cargo a seu substituto, Murilo Ferreira. MMX ON teve perda de 2,05%.

Mais uma vez, a Bovespa operou na contramão das bolsas externas, onde o fechamento foi no azul. Nos EUA, agradaram a estreia das ações do LinkedIn e os pedidos de auxílio-desemprego. O índice Dow Jones subiu 0,36%, aos 12.605,32 pontos, o S&P-500 avançou 0,22%, aos 1.343,60 pontos, e o Nasdaq ganhou 0,30%, aos 2.823,31 pontos.

Na Europa, as bolsas subiram estimuladas por outra oferta inicial de ações (IPO), da gigante suíça de commodities Glencore, e tendo como pano de fundo a renúncia de Dominique Strauss-Kahn do comando do FMI.

Tudo o que sabemos sobre:
BolsaBovespaaçõesPetrobrásVale

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.