Bovespa recua 1,62% e perde nível de 55 mil pontos

Ibovespa fechou o dia com recuo de 1,62%, menor nível desde 20 de outubro deste ano

Claudia Violante, da Agência Estado,

23 de novembro de 2011 | 19h07

Diante da renovada safra de notícias ruins, a Bovespa não teve escapatória a não ser sucumbir à queda das bolsas internacionais. Mas, mesmo em baixa, resistiu para entregar o nível de 55,2 mil pontos - patamar considerado crítico pelos analistas gráficos -, o que, entretanto, acabou acontecendo na hora final. China e Alemanha engrossaram o rol de notícias ruins, e o feriado norte-americano do Dia de Ação de Graças, amanhã, afugentou ainda mais os investidores do risco.

O Ibovespa encerrou o dia com retração de 1,62%, nos 54.972,08 pontos, menor nível desde 20 de outubro (54.009,98 pontos). Na mínima, hoje, atingiu os 54.813 pontos (-1,91%) e, na máxima, 55 879 pontos (estabilidade). No mês, acumula perda de 5,77% e, no ano, de 20,68%. Nestas cinco sessões no vermelho, recuou 6,13%. O giro financeiro totalizou R$ 5,597 bilhões. Os dados são preliminares.

Hoje, os investidores continuaram reagindo às preocupações com a situação europeia, que ganhou como agravante o fraco leilão de títulos da Alemanha, a economia mais forte da zona do euro. Antes disso, a China já havia antecipado como seria o humor do dia: o índice PMI, medido pelo HSBC, caiu para 48,0 em novembro ante a leitura final de 51,0 em outubro, indicando contração no ritmo da indústria. Foi o pior resultado registrado desde março de 2009 e abaixo da previsão de queda a 50,1.

As bolsas europeias fecharam em queda e as norte-americanas se encaminhavam para o mesmo desfecho. Às 18h15, o Dow Jones caía 1,43%, o S&P, 1,54% e o Nasdaq, 1,81%. Saiu uma leva de indicadores nos EUA, mas eles não fizeram preços nos ativos.

Na Nymex, o contrato do petróleo para janeiro recuou 1,88%, a US$ 96,17 o barril. Aqui, Petrobras mostrou mais ''força'' que Vale e fechou em baixa mais modesta: ON, -0,81%, PN, -0,51%. Vale ON fechou com retração de 2,64% e PNA, de 2,52%.

Tudo o que sabemos sobre:
BovespaAlemanhaChina

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.