Bovespa recua com juro chinês, ata do Copom e Telemar

O bom humor de ontem, que levou o Ibovespa (o principal índice da Bolsa de Valores de São Paulo, Bovespa) ao nível histórico de 40.410 pontos, evaporou esta manhã com a decisão do Banco Central chinês de elevar a taxa básica de juro para empréstimo de um ano em 0,27 ponto porcentual, para 5,85%. O receio de que essa decisão da China possa vir a desacelerar o crescimento mundial está derrubando as bolsas européias e norte-americanas e puxando para cima a taxa de juro dos Títulos do Tesouro dos Estados Unidos. A possibilidade de uma redução da demanda mundial, por conta dessa alta de juro chinês, está provocando queda nos preços das commodities. Às 10h12 o Ibovespa registrava queda de 1,05%, aos 39.986 pontos, intensificada pela ata conservadora do Comitê de Política Monetária (Copom) divulgada esta manhã, que sinaliza corte menor da taxa Selic, de 0,50 ponto porcentual, daqui para frente. O Banco Central alerta no documento que o quadro atual poderá demandar que o processo de redução da taxa de juros seja conduzido com maior "parcimônia" a partir de agora. Os contratos futuros de juros estão subindo na Bolsa de Mercadorias & Futuros (BM&F) se ajustando à ata. Mas na bolsa paulista o que deve pesar mais é o cenário externo. O mercado está na expectativa do pronunciamento do presidente do Federal Reserve (Fed, banco central dos EUA), Ben Bernanke, às 11 horas, sobre as condições da economia norte-americana, no Congresso. Mais tarde, às 13 horas, o Fed de Chicago divulga o índice de atividade industrial da região Meio-Oeste dos EUA em março. O dia também é quente em divulgações de balanços norte-americanos. O mais esperado é o da Microsoft, que sai após o fechamento. Por volta das 10 horas, o índice Nasdaq futuro caía 0,48% e o S&P 500 recuava 0,44%. Ontem, as bolsas norte-americanas tiveram um dia de fortes altas, influenciadas por resultados corporativos favoráveis. O Dow Jones atingiu o maior nível em seis anos (11.354 pontos). O juro do título do Tesouro dos EUA de 10 anos estava em 5,11, depois de ter batido 5,13% ao ano. A queda das ações das mineradoras, repercutindo a desvalorização das commodities, devem ter efeito nos papéis do setor negociadas na Bovespa. Na Austrália, as ações da BHP Billiton e Rio Tinto registravam mais cedo perdas de 2,39% e 1,75%, respectivamente. O índice que reflete o comportamento das empresas que exploram recursos naturais caía 4% em Londres. Os investidores também avaliam o balanço da Telemar, divulgado minutos antes da abertura da Bovespa. A empresa registrou lucro líquido de R$ 144,5 milhões no trimestre, equivalente a uma redução de 25,13% sobre os R$ 193 milhões obtidos em igual período do ano passado. O resultado ficou abaixo da expectativa dos analistas, que esperavam lucro de R$ 233 milhões, conforme projeções de cinco instituições financeiras. Ontem à noite, a Embratel informou lucro trimestral de R$ 127,9 milhões, pouco acima das expectativas dos analistas (R$ 115 milhões). A receita líquida foi de R$ 2,036 bilhões para uma estimativa de R$ 1,936 bilhão.

Agencia Estado,

27 Abril 2006 | 10h14

Mais conteúdo sobre:
finanças

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.