Bovespa renova mínimas após abertura de bolsas em NY

Sinal negativo reflete cautela dos investidores com indicares mistos nos Estados Unidos e também com o cenário eleitoral brasileiro

Luciana Antonello Xavier, Agência Estado

25 de setembro de 2014 | 11h10

Após uma sequência de cinco baixas, a Bovespa fechou em alta ontem. Mas o resultado positivo não se mantém nesta quinta-feira, 25. A Bovespa engatou o sinal negativo hoje e renovou as mínimas após a abertura das bolsas em Nova York, refletindo a cautela dos investidores com indicares mistos nos Estados Unidos e também com o cenário eleitoral brasileiro.

A próxima sondagem de intenções de voto, a do Datafolha, deve sair a partir de amanhã e após as pesquisas recentes terem mostrado melhora da presidente Dilma como candidata à reeleição, o investidor hesita em assumir posições. As ações das estatais seguem sensíveis a esse cenário de incertezas e operam em baixa. Os papéis da Vale são pressionados pela queda dos preços do minério de ferro.

Às 10h32, o Ibovespa caía 0,98%, aos 56.269,86 pontos, na mínima.

Às 11h05, estava em queda de 0,68%, aos 56.440,37 pontos. Petrobras PN (-0,59%), Petrobras ON (-0,52%), Eletrobras ON (-0,14%), Banco do Brasil ON (-2,53%), Vale PNA (-1,84%), Vale ON (-1,63%).

Em Nova York, logo após a abertura, o Dow Jones caía 0,31%, o Nasdaq perdia 0,33% e o S&P 500 recuava 0,34%.

Nos EUA, os pedidos semanais de auxílio-desemprego subiram para 293 mil na semana passada, um pouco melhor que a previsão de alta para 296 mil pedidos. Ainda assim, a média dos pedidos segue nos menores níveis em oito anos. Já as encomendas de bens duráveis mostraram queda de 18,2% em agosto, contrariando expectativa de redução menor, de 17,5%.

Os juros dos Treasuries mais longos seguiram em queda após a divulgação de dados de encomendas de bens duráveis e de pedidos de auxílio-desemprego dos EUA, com a liquidação de ontem e a continuidade do rendimento baixo de bônus europeus atraindo novos compradores.

Tudo o que sabemos sobre:
bovespa

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.